Pular para o conteúdo principal

Postagens

A RESSURREIÇÃO COMO CONTEMPLAÇÃO DA MAJESTADE DIVINA

Nosso Senhor Jesus, desde o início de seu ministério, profetizava sobre sua morte e ressurreição. “Destruam este templo, e eu o levantarei em três dias” (Jo 2.19), disse ele após ser indagado pelos judeus quanto a uma prova de sua autoridade para purificar o santuário profanado por eles. Os discípulos presentes acharam ser o templo físico, mas o próprio Evangelista diz que “o templo do qual ele falava era o seu corpo” (v.21). Mesmo quando falou explicitamente (Mc 9.30-32), os discípulos não entenderam, vindo a crer apenas depois. A ressurreição era um enorme mistério a judeus e gregos e até hoje permanece um enigma em nossa mente humana. O entendimento natural da vida nos leva a concluir que a morte é a sua linha definitiva, o encerramento de nossa trajetória, onde o suspirar se encerra e o corpo padece em decadência. A crença de que um corpo maltrapilho não se corrompeu após três dias sepultado e ressuscitou plenamente renovado é um absurdo a nossa razão, mas é por isso qu
Postagens recentes

“Busque a Deus nos céus” - A apologia contra veneração de imagens de Cláudio de Turim (780-827)

Iconoclasmo bizantino, Saltério Chludov, Séc. IX O período medieval é tido por muitos protestantes apenas como a época obscura onde a Igreja se corrompeu e perdeu a verdade que haveria de ser resgatada na Reforma. Com certeza, muitas superstições surgiram ao longo dos séculos mas a verdade não estava completamente perdida e nem tudo deve ser descartado, como também nem todas as práticas detinham universal aprovação. Dentre as mais contestadas pelos reformadores está a veneração de imagens , o ato de pintar imagens que representem santos, anjos ou o próprio Cristo e honrá-las com devoção, sob a defesa de que a veneração se dirige primariamente ao que é  representado e não a imagem em si. Segundo João Damasceno (675-749) , defensor dos ícones no século VIII, “Dê a elas [as representações] toda a persistência da gravura e da cor. Não tenha medo ou ansiedade; nem toda veneração é igual (…) Adorar é uma coisa, veneração é outra. Há diferentes graus de adoração” [1] Nem todos, porém, concord

BIOGRAFIA HUGUENOTE - Gaspard II de Coligny, o líder dos calvinistas franceses

Gaspard II de Coligny, François Clouet, 1565-70 - Saint Louis Art Museum Gaspard II de Coligny, seigneur de Châtillon, nasceu em 19 de fevereiro de 1519, em Châtillon-sur-Loing. Era nobre de berço, filho de Gaspard I de Coligny e Louise de Montmorency, aristocratas da Borgonha. Seu pai era um grande militar e tornou-se Marechal da França e Conde de Guienne, porém faleceu quando Gaspard tinha ainda 3 anos, em 1522.  Seu tio, o conhecido condestável Anne de Montmorency, assumiu a sua criação e a de seus irmãos, permitindo que ele tivesse uma educação humanista na corte. Ele e seu irmão Francisco, futuro seigneur  d'Andelot almejavam uma carreira militar e treinaram desde jovens para alcançarem seus sonhos. Aos 22 anos, em 1542, aproximou-se de Francisco, Duque de Guise, iniciando sua participação no campo de batalha ao lutar pelos monarcas Francisco I e Henrique II contra os espanhóis habsburgos. Batalhou nas campanhas italianas ocorridas em 1544 e foi cavaleiro na Batalha de Ceresol

A natividade e encarnação de Cristo Jesus - NATAL 2021

O Natal é um grande marco no ano cristão, reunindo milhares de fiéis em torno do mundo para celebrar o nascimento do nosso Salvador. Todos conhecem a história: Deus escolheu Maria, uma virgem judia, para dar a luz ao Filho de Deus, concebido pelo Espírito Santo (Lc 1:45) e que recebeu em seu nascimento a visita dos magos (Mt 2:11) e dos pastores (Lc 2:15-16). O Natal é uma boa ocasião para refletirmos sobre o quão impressionante foi a vinda de Jesus à terra . Cristo era homem como nós por ser “nascido de mulher” (Gl 4:4) e ter assumido a carne em toda a sua essência (Jo 1:14), passando por todas as suas fraquezas, porém divino por ser a Palavra pré-existente e criadora de todas as coisas (Jo 1:1-2) capaz de realizar milagres e dizer Eu Sou (Jo 8:58). Esse é o maravilhoso milagre da Encarnação, a vinda do Verbo eterno a nossa realidade a fim de salvar o povo dos seus pecados (Mt 1:21). O mesmo Cristo que tem vida em si mesmo (Jo 5:26) e um com o Pai (Jo 10:30) é o mesmo que sentiu fom

A miséria da humanidade - A doutrina da depravação total (T)

Essa será uma série de publicações esclarecendo cada um dos cinco pontos do calvinismo, conhecidos no famoso acrônimo em inglês TULIP.  Ponto 1: Total Depravity - Depravação total Muito se discute quanto os propósitos da eleição de Deus e como ocorre a salvação, porém é impossível ter uma consciência correta destes enquanto não se compreende o estado pecaminoso do homem. J. C. Ryle foi sábio ao dizer que  "o correto conhecimento do pecado jaz à raiz de todo o cristianismo salvífico. Sem ele, doutrinas como justificação, conversão e santidade serão apenas 'palavras e nomes' que não transmitem qualquer sentido à nossa mente" [1] A maldade perpétua O Nosso Criador nos fez em um estado de perfeita pureza, "a sua imagem e semelhança" (Gn 1:26), prontos para governar sobre a terra de forma parecida com o governo de Deus sobre o mundo. Após a Queda, contudo, o mal se apoderou da humanidade foi transmitido hereditariamente pelas gerações, despertando-se desde o pr

A colonização huguenote na Flórida e seu massacre - 1565

Todos conhecem a grande jornada dos peregrinos puritanos que chegaram a Massassuchessets em 1620, buscando liberdade religiosa longe da hegemonia anglicana. Esse marco histórico é quase sinônimo da fundação dos Estados Unidos, pois ali o primeiro assentamento inglês foi definitivamente estabelecido. Contudo, seria esse o primeiro assentamento europeu de forma geral, ou mais especificamente, seria a primeira vez que protestantes fugiam da perseguição de seus direitos religiosos? Conheça a história das expedições huguenotes na Flórida (1562-1565) e descubra como eles foram responsáveis pela fundação da primeira cidade norte-americana. Tensões na França  A Reforma francesa foi umas das mais turbulentas dentre as que ocorreram no século XVI. Enquanto a Inglaterra anglicana caminhava para a paz religiosa após instabilidade interna e os estados alemães luteranos conviviam em harmonia através da Paz de Augsburg (1555) e sua política de tolerância condicional, a França se via afundada em apar

O vilarejo huguenote que salvou judeus do Holocausto e desafiou o nazismo

US Holocaust Memorial Mouseum, 1941. Chambon-Sur-Lignon é um pequeno povoado localizado no sudeste da França, no alto do rio Loire e próximo da fronteira com a Suíça. A comuna ao sul possui hoje em torno de 2600 habitantes e na década de 40 tinha pouco mais de 3000. Desde o século XVI a cidade era tradicionalmente huguenote, estando nos territórios de influência protestante durante as Guerras Religiosas (1562-1598).  Em 25 de dezembro de 2020, o austríaco Eric Schwam faleceu aos 90 anos e deixou a enorme quantia de 2 milhões de euros  (12,6 milhões de reais) como doação ao vilarejo, símbolo de sua gratidão. Mas o que teria movido o farmacêutico aposentado a esse ato? Hoje você verá como a hospitalidade e a empatia transformam pequenos povos em grandes resistências contra a morte e a tirania. Os horrores da guerra A Segunda Guerra Mundial (1939-45) foi o conflito mais sangrento da humanidade. As estimativas são de 75 milhões de mortos , sendo 30 milhões apenas de civis mortos devido a