Pular para o conteúdo principal

A figura paterna do nosso Senhor - Dia dos Pais

 

 Deus se apresenta de várias formas ao longo das Escrituras:

  • Ao chamar Abraão, como escudo (Gn 15.1). 
  • Com Moisés, o próprio Eu Sou, denotando sua auto existência (Ex 3.14). 
  • Perante o povo de Israel, o libertador da escravidão (Dt 8.14). 
  • Nos Salmos, bondoso e cheio de graça (Sl.86.5) 
  • No Apocalipse, o início e o fim, a completa eternidade (Ap 1.80

Mas com toda a certeza, um dos títulos mais belos e significativos atribuídos ao nosso Criador é o de Pai. Quando Cristo veio a Terra ensinou-nos como orar ao nosso Soberano Senhor, apresentando nossos pedidos e agradecendo por suas bênçãos, prece iniciada da forma que todos conhecemos:

"Pai Nosso que estás nos céus..." (Mt 6.9)

O título usado por Cristo, Aba, foi tomado como irreverente pelos judeus presentes, escandalizados pela alegada falta de esmero por parte de Jesus. Eles não reconheciam, portanto, que o Pai de Jesus era celeste e não habitava na terra como eles pensava, chamando o Senhor Todo-Poderoso de Pai e habitando junto dele na Trindade (Jo 10.29-30). 

Jesus não só tinha liberdade de chama-lo Pai por ser seu eterno Filho como também porque Deus é Pai de todos seus filhos que habitam na Terra. Ele não só é figura paterna para o Cristo como é Pai para nós como afirma Isaías:

"Contudo, Senhor, tu és o nosso Pai.
Nós somos o barro; tu és o oleiro.
Todos nós somos obra das tuas mãos" (Is 64.8) 

Ao crermos no nome do Senhor Jesus Cristo somos adotados como seus filhos e amados como tais (Jo 1.12), nascidos não da carne nem da descendência da natural mas do próprio Deus. Todos somos nascidos de novo a partir do Espírito dado pelo Pai (Jo 3.8) e como afirma Paulo, "se somos filhos também somos herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo (Rm 8.17). Ainda que não sejamos filhos de Abraão para herdar a promessa, somos filhos do Pai ao amar e aceitar o seu Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo (Jo 8.42), diferente dos judeus que acreditavam tê-lo como Pai mas negavam seu filho enviado em pleno sacrifício para a nossa salvação (Jo 3.16)

É por isto que o Senhor se importa tanto com a figura paterna e institui a família como base de nosso crescimento, sendo o quinto dos Dez Mandamentos, os princípios fundamentais que regem nosso pacto com Deus, "Honra teu pai e tua mãe, a fim de que tenhas vida longa na terra que o Senhor, o teu Deus, te dá" (Ex 20.12).

Honrar nossos pais é uma atribuição tão importante a nós como filhos que determina a longevidade do sopro de nossa vida, mandamento reafirmado nos Provérbios com uma ameaça: "Se alguém amaldiçoar seu pai ou sua mãe, a luz de sua vida se extinguirá na mais profunda escuridão" (Pv 20.20).

Ser obediente aos nossos pais é uma eterna ordenança do Senhor e reflete a nossa relação com Ele. Por este mesmo motivos os pais têm de buscar serem como Deus, pais justos, pacientes, bondosos, perdoadores e acima de tudo, amarem de todo o coração os seus filhos, herança do Senhor (Sl 137.3). Tal amor é mostrado não apenas com regalias e privilégios mas principalmente com a instrução nos caminhos do Senhor, livrando seus filhos do mal (Pv 22.6)

Assim, nosso papel como filhos é ser como Cristo, obediente em tudo e atendendo a vontade superior de seu Pai sem questionar, sendo recompensado por isto (Jo 6.38; Fp 2.9). Sejamos obedientes a nossos pais pois isso agrada ao Senhor e mantém a saúde de nossos relacionamentos (Ef 6.1-3), acima de tudo agradecendo por tê-los em nossas vidas e dando-lhes a honra devida, lembrando sempre de nosso eterno e primeiro Pai, o nosso Senhor, o qual nunca nos abandonará.

 Graça e paz a todos vocês,

Luigi Bonvenuto

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Septuaginta, Vulgata, Torá, Tanakh, Talmude e outros: Os Antigos Escritos Bíblicos

Quando estudamos a história da teologia ou até mesmo nos aprofundamos no estudo dos livros da Bíblia dificilmente evitaremos termos como Torá e Septuaginta que apesar de bastante conhecidos, nem sempre os cristãos os entendem e são essenciais caso queiramos compreender por completo o significado original dos textos que lemos em nossas traduções. Por isso, explicarei brevemente o que significa cada um deles e alguns outros que são mais esquecidos, mas antes preciso conceituar três coisas importantes: Antigo Testamento - Os primeiros 39 livros da Bíblia, também chamados de Bíblia Hebraica Novo Testamento - Os 27 últimos livros da Bíblia, começando com os evangelhos. Bíblia - Conjunto de textos sagrados para os cristãos composta por 66 livros (Bíblia protestante). Tendo isso claro, podemos iniciar: Torá Vindo do hebraico תּוֹרָה ("tōrāh" para os sefarditas), significa "instrução" e é o conjunto que nós cristãos conhecemos como Pentateuco , ou seja, os 5

Em defesa do Batismo Infantil

    Apesar da diversidade de igrejas existentes hoje em dia, existem determinadas crenças que estão presentes em todas elas: A crença num Deus único, em Jesus como Salvador e Redentor, na sua vinda como Deus encarnado, na Trindade, na Bíblia como inerrante revelação divina, no Espírito Santo como parte do ser de Deus e que guia a igreja, além de outras, tendo como principais sacramentos o batismo e a Santa Ceia (ainda que a Igreja Católica possua sete deles) Ainda assim, um assunto bastante controverso até hoje e que acompanha um ritual milenar dentre os cristãos, significativo e profundo para todos eles é com certeza o batismo . Para os novos crentes é a regeneração e para os filhos de crentes a confirmação ou o selo da graça, contudo, em que idade deve ser praticado? Bebês devem ser batizados ou apenas os que confessam a fé? Venho então defender a última crença e pretendo mostrar que ela é correta segundo as Escrituras, por mais que a minoria dos evangélicos a defende atualmente. A O

O Martírio de S. Policarpo - ENTRE A MORTE E A GLÓRIA

A Igreja sempre contou com grandes mártires em sua história, verdadeiros heróis do cristianismo que entregaram suas vidas por causa de sua fé. Esses homens de fato imitaram a Cristo não apenas em vida, mas também em morte e foram reais testemunhas do Filho de Deus, como a própria palavra mártir (μάρτυς) significa em grego. Eles testificaram a Vida (1 Jo 1:2), como diz o apóstolo João, e voluntariamente se entregaram por Aquele que é a Verdade. Com a intenção de honrar suas histórias, desejo realizar uma série de publicações chamada "Entre a Morte e a Glória", semelhante a "Ícones da Igreja" que eu publiquei ano passado O primeiro desses mártires será Policarpo de Esmirna (68-155), um dos bispos mais amorosos e mais marcantes do princípio da Igreja Princípio de sua vida Policarpo nasceu no ano 69 numa família cristã da alta burguesia em Esmirna. Segundo cristãos das décadas seguintes, foi discípulo do Apóstolo João, ordenado diretamente bispo de Esmirna por ele como