Pular para o conteúdo principal

O Que É O Cristianismo?

Olá amados! Venho com uma pergunta que aparentemente tem uma resposta bem fácil, porém que por sua importância deve ser corretamente respondida. O que de fato é o cristianismo? Seria apenas crer em Deus e em Jesus? Seria uma religião mista que prega apenas amor ao próximo? Seria uma religião onde podemos fazer o que quisermos porque Deus é amor e nos salvará de qualquer maneira? Veremos agora.


As Origens


É preciso conhecer como o cristianismo foi fundado para entendermos o que é de fato. Acredito que todos conheçam Jesus Cristo, já que foi o homem mais conhecido em toda a história da humanidade. Jesus foi um judeu nascido entre 6-4 A.C e não, ele não nasceu no ano 1 apenas porque o calendário gregoriano diz isso (culpa do Gregório XIII!)

Jesus já mostrava ser diferente desde a infância, nascendo de uma virgem (Mt 1:18) e em condições que não eram nada dignas para o Rei do Universo (Lc 2:7), porém de qualquer maneira já chamava a atenção de intelectuais do Oriente (Mt 2:1-2), os quais são conhecidos como "três reis magos" e de pastores (Lucas 2:8-12), ambos por sinais miraculosos; isso já era muito para um simples bebê.

Com o tempo ele já conversava com mestres do templo e não tardou para que iniciasse seu ministério, curando enfermos, ressuscitando pessoas, pregando virtudes valiosas, histórias com importantes mensagens e juntando muitos, mas muitos seguidores, sendo os principais os conhecidos 12 discípulos de Jesus

Esses foram os primeiros cristãos, seguidores de christus. Foram vistos com desprezo pelos religiosos de seu meio e tratados como seita por muito tempo, até que se tornasse uma religião de fato, desprendida do judaísmo que negava a autoridade de Cristo como Messias.

Depois da morte de Jesus e sua ressurreição, o livro de Atos conta sobre o início da formação de igrejas, tal como as cartas que Paulo escreveu para diversas delas. Uma grande comunidade de cristãos, a cristandade, passou a ser formada

Sendo assim, o cristianismo surgiu dos ensinamentos de Jesus Cristo dentro do judaísmo, aceitando seus textos e muitos de seus dogmas porém rejeitando rituais e tradições as quais receberam novos significados após a redenção do mestre.

Os Ensinamentos


Assumir uma religião é muito fácil. Eu posso simplesmente anunciar para todos, "sou cristão!", "sou islâmico!", "sou budista!" e já sou considerado, pelo menos um grupo de pessoas, parte dessa religião. Mas eu realmente posso ser visto como um leal membro desta?

Independente do que você considera como cristão, é necessário seguir alguns princípios básicos para que seja assumidamente um, segundo o livro inspirado e sagrado dos cristãos, a Bíblia. É necessário acreditar que:
  • Deus é único (Ex 20:3) , soberano e onipotente, criador de tudo o que existe, o início e o fim (1 Co 29:11)
  • Jesus é Seu Filho, enviado para a terra em forma humana (Jo 1:14)
  •  Espírito Santo é o guia e consolador deixado por Deus após a ascensão de Jesus (Jo 14:16)
  •  Entender que Deus é três em um, Pai, Filho e Espírito Santo, formando assim a Trindade (Mt 28:19)
  • A Bíblia é a Palavra de Deus e deve ser usada para nos guiar e ensinar (2 Tm 3:16-17)
  • Todos nós fomos criados para sermos bons porém pecamos e assim permanecemos até hoje (Gn 1:31
  • Jesus Cristo morreu pelos nossos pecados, mesmo inocente e Filho de Deus, e somos salvos por causa de seu ato.
  • A salvação vem por Jesus Cristo mediante a fé, dom dado pela graça de Deus (Rm 5:1-2)
  • A igreja é o Corpo de Cristo na Terra, formado pelos seus seguidores fiéis (Ef 5:23)
  • Os salvos terão vida eterna junto com o nosso Deus (João 3:36)

Entre vários outros; citei aqui apenas os principais.

Pode ser que você se aplique nestes pontos, mas é importante lembrar que isso não é tudo. De que vale eu seguir tudo o que fora listado porém não me atentar aos inúmeros ensinamentos de Jesus em relação ao comportamento para com meus amigos, irmãos, pais e para com Ele? Seria eu um cristão apenas por crer em Cristo mas obedecer apenas aquilo que me convém?


O "Ser Cristão"

O amor é a chave, o que liga a todos nós (Colossense 3:14)
Photo by Helena Lopes from Pexels

Ser cristão é lutar contra o próprio pecado, seguir com integridade as palavras de Jesus, gostando ou não, e amando-o acima de tudo o que possui. (Mt 10:37-39)

O cristão verdadeiro deve ser diferente dos outros. Enquanto retribuem mal com mal, o cristão deve retribuir com bem (1 Pe 3:9) ; quando o humilharem, ele compreenderá que a recompensa é bem maior e que vale a pena continuar; quando todos duvidarem, ele continuará crendo; e assim segue, indo na contramão do mundo.

Ser cristão é seguir pelo caminho estreito (Mt 7:13-14), mesmo que difícil, enquanto procura trazer outros para essa vida de fé, amor e aprendizado.

Obstáculos virão, com toda certeza, mas não devemos desanimar. É nesse momento que entra a importância de uma cristandade unida, representada pela igreja, aquela que nos faz perpetuar na fé e é onde Deus se faz presente aqui na Terra, não apenas em nossos corações, mas nas organizações de pessoas em Seu nome.

Ser cristão é se guiar pela fé naquele que se entregou por quem não merecia e nunca irá merecer. 

A fé pode ser vista como algo de pessoas de intelecto baixo, salto no escuro, loucura para os céticos, porém nunca esqueça que a fé é mais do que uma certeza no que não se toca ou se vê; é a convicção que nos sustenta quando nada mais é suficiente, quando o amor se esvai, a alegria já não mais se faz presente em nosso coração e a tristeza bate a porta. É o fundamento do que esperamos para o futuro, a comprovação daquilo que não enxergamos (Hb 11:1)

O cristianismo não é apenas um conjunto de regras e doutrinas. É amor, vida, esperança, perseverança, confiança.

Falso Cristianismo

São como lobos em meio as ovelhas, maldosos que atacam os dóceis e pacíficos

Deixo aqui um breve atento contra os falsos cristãos. Esses estão no meio como lobos entre ovelhas (Mt 10:16), pessoas que se infiltram parecendo estar entre os semelhantes mas na verdade estão com pretensões erradas e maldosas.

Os falsos cristãos não praticam o que falam, sendo hipócritas e mentirosos. Os falsos cristãos condenam (Mt 7:1-5) e não agem com humildade. Os falsos cristãos não tem a fé verdadeira, o dom divino, apenas usando palavras e se distanciando da essência cristã. Os falsos cristãos não vivem pelo espírito, mas sim pelo intelecto, pelo ódio ou pela mentira.

 Os falsos cristãos não nasceram de novo

Acredito que tenha ficado claro. A partir de agora, quando perguntarem o que é o cristianismo, lembre-se que "seguidores de Cristo e suas regras" não é o suficiente quando falamos em termos espirituais. Ser cristão é bem mais do que proferir palavras, é seguir um estilo de vida comprometido com o bem-estar do próximo e a adoração a Deus em tudo o que fazemos (1 Cor 10:31)

É isso meus amados! Postarei mais sobre assuntos simples e outros mais complexos, procurando uma linguagem não muito requintada. Deixem nos comentários sugestões de postagens e suas opiniões, sejam elas concordantes ou discordantes. Fiquem com Deus e até a próxima!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Septuaginta, Vulgata, Torá, Tanakh, Talmude e outros: Os Antigos Escritos Bíblicos

Quando estudamos a história da teologia ou até mesmo nos aprofundamos no estudo dos livros da Bíblia dificilmente evitaremos termos como Torá e Septuaginta que apesar de bastante conhecidos, nem sempre os cristãos os entendem e são essenciais caso queiramos compreender por completo o significado original dos textos que lemos em nossas traduções. Por isso, explicarei brevemente o que significa cada um deles e alguns outros que são mais esquecidos, mas antes preciso conceituar três coisas importantes: Antigo Testamento - Os primeiros 39 livros da Bíblia, também chamados de Bíblia Hebraica Novo Testamento - Os 27 últimos livros da Bíblia, começando com os evangelhos. Bíblia - Conjunto de textos sagrados para os cristãos composta por 66 livros (Bíblia protestante). Tendo isso claro, podemos iniciar: Torá Vindo do hebraico תּוֹרָה ("tōrāh" para os sefarditas), significa "instrução" e é o conjunto que nós cristãos conhecemos como Pentateuco , ou seja, os 5

A História dos Huguenotes: Perseguição e Guerras Religiosas (Parte 1)

Ao decidir um nome para usar em meu site e em meu canal, queria um que representasse a minha fé e meus ideais e que não fosse igual aos que já existem. Quando percebi que os huguenotes têm muitas semelhanças com minha teologia e não eram muito conhecidos, escolhi imediatamente o nome "O Huguenote" como uma homenagem e uma identidade que decidi assumir, por mais que minha denominação seja presbiteriana.   Não poderia faltar a explicação de quem eles eram e de sua história e é isto que pretendo realizar nessas duas publicações: contar de forma geral a história dos huguenotes que me inspiraram a tratar do assunto que mais amo, teologia. Mudanças na Europa Ao estudar a história, percebemos que nenhuma ideia ou movimento surge de repente, há sempre um antecessor que o inspira ou provoca o seu surgimento. No caso dos huguenotes, sua história remonta desde os séculos XII e XIII quando dois movimentos entraram em evidência na França, os valdenses e os cátaros, também chamados albigen

O Massacre de São Bartolomeu segundo C. H. Spurgeon

O MASSACRE DE SÃO BARTOLOMEU C. H. Spurgeon Le Massacre de la Saint-Barthélemy, François Dubois, 1572-1584. Musée cantonal des beaux-arts de Lausanne. A infame atrocidade perpetrada na véspera de São Bartolomeu, 1572, pelos católicos romanos contra os inofensivos huguenotes ou protestantes da França não deixará de ser lembrada com mais intenso horror até o dia da restituição universal . A frieza dos procedimentos que instigaram tamanha carnificina e as paixões diabólicas que levaram os nobres e estadistas católicos a romperem os limites da humanidade ao liderar o massacre  tornam o evento sem paralelo na história dos enormes crimes. Assim, não há sombra de dúvida sobre quem eram os originadores do plano. Os católicos romanos conceberam o mais amargo ódio contra os huguenotes e estavam decididos de que a terra deveria ficar livre deles. Catarina de Médici, cuja inimizade furiosa contra o protestantismo fez dela um motor admirável no terrível desígnio, controlou seu filho, Carlos IX, suf