Pular para o conteúdo principal

Ressurgindo dos Mortos - Uma verdade ignorada

O Domingo na Semana Santa é o dia da grande alegria. Na Sexta-Feira nós celebramos o penoso sacrifício de Jesus Cristo porém hoje é o dia em que celebramos a sua gloriosa ressurreição. A história da redenção envolve muitas etapas e tão importante quanto a sua morte é a Ressurreição de Jesus Cristo.

A negação da verdade

Não é de agora que surgem visões oposta sobre a pessoa de Jesus. Pouco tempo depois dele morrer, quando o túmulo de Jesus foi aberto por um anjo, os guardas que protegiam o corpo ficaram abismado com tudo isso e receberam dos judeus um suborno para dizerem que o discípulos roubaram o cadáver de Jesus e eles acreditam nisso até hoje (Mt 28:13-15)

Entre o anos 150-250 D.C, grupos de pessoas fora da igreja começaram a dizer que Jesus nunca foi humano realmente e sim que era um mensageiro espiritual com forma parecida de uma pessoa. Nesse caso ele não teria morrido e muito menos ressuscitado, mas apenas veio trazer o verdadeiro conhecimento para seu seguidores. E mesmo assim se chamavam cristãs! Hoje nós conhecemos eles como gnósticos.

E não para por aí. 1/4 dos cristãos ingleses não acreditam na Ressurreição de Cristo (fonte) e o número não é muito diferente em outros países europeus. Por que tantas pessoas negam a ressurreição, sendo cristãs ou não?

A fonte da vida


A Bíblia deixa claro que Jesus tinha de morrer e então ressuscitar. Ele mesmo falou isso várias vezes mas ninguém entendia (Lucas 18:31-34). Para o ser humano, nunca fez sentido alguém poder driblar a morte. Lembrando sobre a condenação que eu falei na postagem passada, o fim da vida era algo certo e que todos aceitavam por não poderem contornar. Todo homem morre e isso é um fato.

Significa então que Jesus não era homem? De maneira nenhuma. Jesus nasceu do corpo de uma humana e mesmo sendo Deus continuava sendo uma pessoa como a gente (Gálatas 4.4-5)

Então, como Jesus conseguiu ressuscitar se todo humano morre para sempre? Tendo vida em si mesmo (Jo 5:26). Jesus ressurgiu dos mortos porque a vida não era para ele algo limitado como para nós, onde a morte entra como obstáculo e finaliza o nosso tempo na Terra. Não, Jesus é a origem de toda vida porque por ele tudo foi criado (Jo 1:4) . A vida exite nele e isso é a nossa luz, a luz que Jesus quer oferecer as suas ovelhas em toda a sua bondade.

Essa é a importância da ressurreição. Paulo afirma em 1 Coríntios 15:13-14 que se Cristo não ressuscitou, nossa fé é inútil. O peso dessa afirmação é tão grande que nos mostra a relevância da Páscoa na vida do cristão. Nela podemos celebrar a nossa real salvação: Em sua morte nossos pecados foram salvos e em sua ressurreição nós somos vivos.

Conclusão


Os questionamentos, venham eles da ciência ou dos incrédulos, nunca poderão ir contra a grandiosidade do ato da ressurreição, a verdadeira façanha de voltar dos mortos. Jesus é o dono de todo o poder e a partir do seu sacrifício compartilhamos de sua glória.

Assim como sem a cruz não há salvação, sem ressurreição não há vida.

Deus abençoe a todos.

Luigi Bonvenuto
12/04/20

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Septuaginta, Vulgata, Torá, Tanakh, Talmude e outros: Os Antigos Escritos Bíblicos

Quando estudamos a história da teologia ou até mesmo nos aprofundamos no estudo dos livros da Bíblia dificilmente evitaremos termos como Torá e Septuaginta que apesar de bastante conhecidos, nem sempre os cristãos os entendem e são essenciais caso queiramos compreender por completo o significado original dos textos que lemos em nossas traduções. Por isso, explicarei brevemente o que significa cada um deles e alguns outros que são mais esquecidos, mas antes preciso conceituar três coisas importantes: Antigo Testamento - Os primeiros 39 livros da Bíblia, também chamados de Bíblia Hebraica Novo Testamento - Os 27 últimos livros da Bíblia, começando com os evangelhos. Bíblia - Conjunto de textos sagrados para os cristãos composta por 66 livros (Bíblia protestante). Tendo isso claro, podemos iniciar: Torá Vindo do hebraico תּוֹרָה ("tōrāh" para os sefarditas), significa "instrução" e é o conjunto que nós cristãos conhecemos como Pentateuco , ou seja, os 5

Em defesa do Batismo Infantil

    Apesar da diversidade de igrejas existentes hoje em dia, existem determinadas crenças que estão presentes em todas elas: A crença num Deus único, em Jesus como Salvador e Redentor, na sua vinda como Deus encarnado, na Trindade, na Bíblia como inerrante revelação divina, no Espírito Santo como parte do ser de Deus e que guia a igreja, além de outras, tendo como principais sacramentos o batismo e a Santa Ceia (ainda que a Igreja Católica possua sete deles) Ainda assim, um assunto bastante controverso até hoje e que acompanha um ritual milenar dentre os cristãos, significativo e profundo para todos eles é com certeza o batismo . Para os novos crentes é a regeneração e para os filhos de crentes a confirmação ou o selo da graça, contudo, em que idade deve ser praticado? Bebês devem ser batizados ou apenas os que confessam a fé? Venho então defender a última crença e pretendo mostrar que ela é correta segundo as Escrituras, por mais que a minoria dos evangélicos a defende atualmente. A O

O Martírio de S. Policarpo - ENTRE A MORTE E A GLÓRIA

A Igreja sempre contou com grandes mártires em sua história, verdadeiros heróis do cristianismo que entregaram suas vidas por causa de sua fé. Esses homens de fato imitaram a Cristo não apenas em vida, mas também em morte e foram reais testemunhas do Filho de Deus, como a própria palavra mártir (μάρτυς) significa em grego. Eles testificaram a Vida (1 Jo 1:2), como diz o apóstolo João, e voluntariamente se entregaram por Aquele que é a Verdade. Com a intenção de honrar suas histórias, desejo realizar uma série de publicações chamada "Entre a Morte e a Glória", semelhante a "Ícones da Igreja" que eu publiquei ano passado O primeiro desses mártires será Policarpo de Esmirna (68-155), um dos bispos mais amorosos e mais marcantes do princípio da Igreja Princípio de sua vida Policarpo nasceu no ano 69 numa família cristã da alta burguesia em Esmirna. Segundo cristãos das décadas seguintes, foi discípulo do Apóstolo João, ordenado diretamente bispo de Esmirna por ele como