Pular para o conteúdo principal

Sem cruz, sem salvação - Sexta-Feira Santa

A atual tendência do mundo é afirmar que "todos os caminhos levam a Deus". Ao mesmo tempo os jovens e seus influenciadores falam sempre sobre fazer o bem, estar em harmonia com o mundo, ser feliz e amar o outro pois é isso que importa, não é mesmo?

Alguns ensinamentos podem ser bons para a nossa vida mas nenhum deles leva a Deus. Isto é um fato que pode parecer cruel, injusto, fundamentalista e mente fechada para muitos mas não deixa de ser verdade. A realidade é que fazer o bem é maravilhoso e mantém o amor vivo, mas isso não é suficiente para que sejamos salvos dos nossos erros. O único caminho até Deus é a cruz.

A condenação



Toda a humanidade se desviou e não há uma única pessoa que pode ser chamada justa por Deus (Eclesiastes 7:20). Justos nesse caso seriam pessoas que nunca pecam e vivem sempre no caminho certo. Se não há ninguém assim, concluímos que todo somos pecadores e se todos pecam, todos merecem a consequência do pecado que é a morte (Romanos 6:23).

Desde o primeiro momento que o homem pecou a morte entrou em nossa vida e nunca mais saiu, continuando por todas as gerações (Gênesis 3:19). O mal entrou na Criação como um intruso e por causa dele não podíamos mais viver eternamente como Deus havia proposto; a árvore da vida estava inacessível.

Essa condenação passou para todos os humanos e está presente desde o nascimento (Salmos 51:5), errando sempre que podemos e tendo dificuldades em fazer o certo.

Como poderíamos então escapar dessa situação? Todas as pessoas seriam condenadas e simples assim? Não há nenhum caminho disponível?

A salvação

As pessoas procuraram outros modos de se salvar, realizaram sacrifícios, inventaram deuses, criaram regras mas nunca conseguiram fugir do destino inevitável. Deus então entregou aos judeus a sua Lei para que seguissem os caminhos corretos mas deixou claro que obedecer regras nunca salvou ninguém. O pecado continuava ali e eles só seriam salvos quando viesse o judeu que pisaria na cabeça da serpente (Gênesis 3:15)

E ele veio! Jesus cumpriu todas as profecia e promessas sobre ele, estando presente em inúmeros versículos do Antigo Testamento (ainda vou fazer uma explicação melhor sobre isso um dia). Sua missão mais importante foi trazer a redenção e quebrar o que acontecia desde a Queda de Adão.

“Porque, assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo.” 1 Coríntios 15.22

Glória a Deus! Todos estávamos mortos em pecado por causa de Adão mas graças a Cristo podemos viver novamente. Mas como isso é possível? A maioria já ouviu a frase de que "a cruz salva" mas nem todos compreendem como essa redenção funciona. Como que uma morte pode trazer vida?

Simples. Sendo que o resultado do pecado é a morte, precisaria que viesse alguém capaz de pagar por essa dívida, alguém que fosse tudo o que Adão não foi. Esse alguém foi Jesus, o Filho que Deus enviou para morrer pelas suas ovelhas e pagar por todo o pecado. Ele é o sacrifício dado para que nenhum de nós precisasse morrer por causa do pecado (Romanos 3:25). Se ele não tivesse morrido a condenação teria durado para sempre e nenhum de nós poderia chegar livremente até Deus, como era no passado.

A cruz é o único caminho que pode ultrapassar a barreira que o pecado criou. Sendo assim, sem cruz, sem salvação.

Mas isso é apenas para aqueles que pertencem a Jesus. A cruz é salvação mas apenas para os filhos de Deus, ou seja, aqueles que acreditam nele como Salvador (João 1:12). Não poso esperar chegar a Deus através de outra forma sendo que Jesus disse:

"EU sou o caminho, a verdade e a vida. NINGUÉM vem ao Pai, a não ser por mim" João 14:6

As pessoas admiram Jesus como um homem bom que falou coisas boas mas esquecem que ele nunca negou ser o único trajeto para o céu, excluindo outras alternativas. Não tenho como chegar a Deus através da meditação, da caridade, de rituais, enfim, nada pode me levar até o céu a não ser Jesus Cristo através de sua cruz. Um seguidor de Jesus deve aceitar tudo o que ele disse, caso contrário será como os "discípulos" que deixaram ele quando a situação apertou.

A salvação está clara e nada que possamos inventar vai substituir a única verdade.

Conclusão


A Sexta-Feira santa é mais do que um feriado para não comer carne. Aliás, esse jejum de carne sequer está na Bíblia. O mais importante deste dia é lembrarmos de que sem o sacrifício de Jesus jamais poderíamos chegar até Deus, não importa o que tentemos fazer. O homem nunca poderá se aproximar do que é justo sem antes ser justo e isso só é possível a partir da fé no sacrifício de Cristo Jesus.

Uma abençoado fim de semana de Páscoa a todos.

Luigi Bonvenuto
10/04/2020

Comentários

  1. Belo artigo.
    Somos salvos pela graça e isso não vem de nós.
    Que orgulho sinto pelas suas palavras

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora percebi que o comentário ficou esse tempo todo na lista de aprovação, ainda preciso me acostumar com a plataforma do Blogger. Muito obrigado, de fato a graça que nos salva parte somente de Deus segundo sua misericórdia que jamais entenderemos. E "se é pela graça, já não é mais pelas obras; se fosse, a graça já não seria graça" (Rm 11:6).

      Deus abençoe

      Excluir

Postar um comentário

Seja respeitoso, educado e não cometa spam, ou será negado imediatamente.

Postagens mais visitadas deste blog

Septuaginta, Vulgata, Torá, Tanakh, Talmude e outros: Os Antigos Escritos Bíblicos

Quando estudamos a história da teologia ou até mesmo nos aprofundamos no estudo dos livros da Bíblia dificilmente evitaremos termos como Torá e Septuaginta que apesar de bastante conhecidos, nem sempre os cristãos os entendem e são essenciais caso queiramos compreender por completo o significado original dos textos que lemos em nossas traduções. Por isso, explicarei brevemente o que significa cada um deles e alguns outros que são mais esquecidos, mas antes preciso conceituar três coisas importantes: Antigo Testamento - Os primeiros 39 livros da Bíblia, também chamados de Bíblia Hebraica Novo Testamento - Os 27 últimos livros da Bíblia, começando com os evangelhos. Bíblia - Conjunto de textos sagrados para os cristãos composta por 66 livros (Bíblia protestante). Tendo isso claro, podemos iniciar: Torá Vindo do hebraico תּוֹרָה ("tōrāh" para os sefarditas), significa "instrução" e é o conjunto que nós cristãos conhecemos como Pentateuco , ou seja, os 5

A História dos Huguenotes: Perseguição e Guerras Religiosas (Parte 1)

Ao decidir um nome para usar em meu site e em meu canal, queria um que representasse a minha fé e meus ideais e que não fosse igual aos que já existem. Quando percebi que os huguenotes têm muitas semelhanças com minha teologia e não eram muito conhecidos, escolhi imediatamente o nome "O Huguenote" como uma homenagem e uma identidade que decidi assumir, por mais que minha denominação seja presbiteriana.   Não poderia faltar a explicação de quem eles eram e de sua história e é isto que pretendo realizar nessas duas publicações: contar de forma geral a história dos huguenotes que me inspiraram a tratar do assunto que mais amo, teologia. Mudanças na Europa Ao estudar a história, percebemos que nenhuma ideia ou movimento surge de repente, há sempre um antecessor que o inspira ou provoca o seu surgimento. No caso dos huguenotes, sua história remonta desde os séculos XII e XIII quando dois movimentos entraram em evidência na França, os valdenses e os cátaros, também chamados albigen

O Massacre de São Bartolomeu segundo C. H. Spurgeon

O MASSACRE DE SÃO BARTOLOMEU C. H. Spurgeon Le Massacre de la Saint-Barthélemy, François Dubois, 1572-1584. Musée cantonal des beaux-arts de Lausanne. A infame atrocidade perpetrada na véspera de São Bartolomeu, 1572, pelos católicos romanos contra os inofensivos huguenotes ou protestantes da França não deixará de ser lembrada com mais intenso horror até o dia da restituição universal . A frieza dos procedimentos que instigaram tamanha carnificina e as paixões diabólicas que levaram os nobres e estadistas católicos a romperem os limites da humanidade ao liderar o massacre  tornam o evento sem paralelo na história dos enormes crimes. Assim, não há sombra de dúvida sobre quem eram os originadores do plano. Os católicos romanos conceberam o mais amargo ódio contra os huguenotes e estavam decididos de que a terra deveria ficar livre deles. Catarina de Médici, cuja inimizade furiosa contra o protestantismo fez dela um motor admirável no terrível desígnio, controlou seu filho, Carlos IX, suf