Pular para o conteúdo principal

Sem cruz, sem salvação - Sexta-Feira Santa

A atual tendência do mundo é afirmar que "todos os caminhos levam a Deus". Ao mesmo tempo os jovens e seus influenciadores falam sempre sobre fazer o bem, estar em harmonia com o mundo, ser feliz e amar o outro pois é isso que importa, não é mesmo?

Alguns ensinamentos podem ser bons para a nossa vida mas nenhum deles leva a Deus. Isto é um fato que pode parecer cruel, injusto, fundamentalista e mente fechada para muitos mas não deixa de ser verdade. A realidade é que fazer o bem é maravilhoso e mantém o amor vivo, mas isso não é suficiente para que sejamos salvos dos nossos erros. O único caminho até Deus é a cruz.

A condenação



Toda a humanidade se desviou e não há uma única pessoa que pode ser chamada justa por Deus (Eclesiastes 7:20). Justos nesse caso seriam pessoas que nunca pecam e vivem sempre no caminho certo. Se não há ninguém assim, concluímos que todo somos pecadores e se todos pecam, todos merecem a consequência do pecado que é a morte (Romanos 6:23).

Desde o primeiro momento que o homem pecou a morte entrou em nossa vida e nunca mais saiu, continuando por todas as gerações (Gênesis 3:19). O mal entrou na Criação como um intruso e por causa dele não podíamos mais viver eternamente como Deus havia proposto; a árvore da vida estava inacessível.

Essa condenação passou para todos os humanos e está presente desde o nascimento (Salmos 51:5), errando sempre que podemos e tendo dificuldades em fazer o certo.

Como poderíamos então escapar dessa situação? Todas as pessoas seriam condenadas e simples assim? Não há nenhum caminho disponível?

A salvação

As pessoas procuraram outros modos de se salvar, realizaram sacrifícios, inventaram deuses, criaram regras mas nunca conseguiram fugir do destino inevitável. Deus então entregou aos judeus a sua Lei para que seguissem os caminhos corretos mas deixou claro que obedecer regras nunca salvou ninguém. O pecado continuava ali e eles só seriam salvos quando viesse o judeu que pisaria na cabeça da serpente (Gênesis 3:15)

E ele veio! Jesus cumpriu todas as profecia e promessas sobre ele, estando presente em inúmeros versículos do Antigo Testamento (ainda vou fazer uma explicação melhor sobre isso um dia). Sua missão mais importante foi trazer a redenção e quebrar o que acontecia desde a Queda de Adão.

“Porque, assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo.” 1 Coríntios 15.22

Glória a Deus! Todos estávamos mortos em pecado por causa de Adão mas graças a Cristo podemos viver novamente. Mas como isso é possível? A maioria já ouviu a frase de que "a cruz salva" mas nem todos compreendem como essa redenção funciona. Como que uma morte pode trazer vida?

Simples. Sendo que o resultado do pecado é a morte, precisaria que viesse alguém capaz de pagar por essa dívida, alguém que fosse tudo o que Adão não foi. Esse alguém foi Jesus, o Filho que Deus enviou para morrer pelas suas ovelhas e pagar por todo o pecado. Ele é o sacrifício dado para que nenhum de nós precisasse morrer por causa do pecado (Romanos 3:25). Se ele não tivesse morrido a condenação teria durado para sempre e nenhum de nós poderia chegar livremente até Deus, como era no passado.

A cruz é o único caminho que pode ultrapassar a barreira que o pecado criou. Sendo assim, sem cruz, sem salvação.

Mas isso é apenas para aqueles que pertencem a Jesus. A cruz é salvação mas apenas para os filhos de Deus, ou seja, aqueles que acreditam nele como Salvador (João 1:12). Não poso esperar chegar a Deus através de outra forma sendo que Jesus disse:

"EU sou o caminho, a verdade e a vida. NINGUÉM vem ao Pai, a não ser por mim" João 14:6

As pessoas admiram Jesus como um homem bom que falou coisas boas mas esquecem que ele nunca negou ser o único trajeto para o céu, excluindo outras alternativas. Não tenho como chegar a Deus através da meditação, da caridade, de rituais, enfim, nada pode me levar até o céu a não ser Jesus Cristo através de sua cruz. Um seguidor de Jesus deve aceitar tudo o que ele disse, caso contrário será como os "discípulos" que deixaram ele quando a situação apertou.

A salvação está clara e nada que possamos inventar vai substituir a única verdade.

Conclusão


A Sexta-Feira santa é mais do que um feriado para não comer carne. Aliás, esse jejum de carne sequer está na Bíblia. O mais importante deste dia é lembrarmos de que sem o sacrifício de Jesus jamais poderíamos chegar até Deus, não importa o que tentemos fazer. O homem nunca poderá se aproximar do que é justo sem antes ser justo e isso só é possível a partir da fé no sacrifício de Cristo Jesus.

Uma abençoado fim de semana de Páscoa a todos.

Luigi Bonvenuto
10/04/2020

Comentários

  1. Belo artigo.
    Somos salvos pela graça e isso não vem de nós.
    Que orgulho sinto pelas suas palavras

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora percebi que o comentário ficou esse tempo todo na lista de aprovação, ainda preciso me acostumar com a plataforma do Blogger. Muito obrigado, de fato a graça que nos salva parte somente de Deus segundo sua misericórdia que jamais entenderemos. E "se é pela graça, já não é mais pelas obras; se fosse, a graça já não seria graça" (Rm 11:6).

      Deus abençoe

      Excluir

Postar um comentário

Seja respeitoso, educado e não cometa spam, ou será negado imediatamente.

Postagens mais visitadas deste blog

Septuaginta, Vulgata, Torá, Tanakh, Talmude e outros: Os Antigos Escritos Bíblicos

Quando estudamos a história da teologia ou até mesmo nos aprofundamos no estudo dos livros da Bíblia dificilmente evitaremos termos como Torá e Septuaginta que apesar de bastante conhecidos, nem sempre os cristãos os entendem e são essenciais caso queiramos compreender por completo o significado original dos textos que lemos em nossas traduções. Por isso, explicarei brevemente o que significa cada um deles e alguns outros que são mais esquecidos, mas antes preciso conceituar três coisas importantes: Antigo Testamento - Os primeiros 39 livros da Bíblia, também chamados de Bíblia Hebraica Novo Testamento - Os 27 últimos livros da Bíblia, começando com os evangelhos. Bíblia - Conjunto de textos sagrados para os cristãos composta por 66 livros (Bíblia protestante). Tendo isso claro, podemos iniciar: Torá Vindo do hebraico תּוֹרָה ("tōrāh" para os sefarditas), significa "instrução" e é o conjunto que nós cristãos conhecemos como Pentateuco , ou seja, os 5

Em defesa do Batismo Infantil

    Apesar da diversidade de igrejas existentes hoje em dia, existem determinadas crenças que estão presentes em todas elas: A crença num Deus único, em Jesus como Salvador e Redentor, na sua vinda como Deus encarnado, na Trindade, na Bíblia como inerrante revelação divina, no Espírito Santo como parte do ser de Deus e que guia a igreja, além de outras, tendo como principais sacramentos o batismo e a Santa Ceia (ainda que a Igreja Católica possua sete deles) Ainda assim, um assunto bastante controverso até hoje e que acompanha um ritual milenar dentre os cristãos, significativo e profundo para todos eles é com certeza o batismo . Para os novos crentes é a regeneração e para os filhos de crentes a confirmação ou o selo da graça, contudo, em que idade deve ser praticado? Bebês devem ser batizados ou apenas os que confessam a fé? Venho então defender a última crença e pretendo mostrar que ela é correta segundo as Escrituras, por mais que a minoria dos evangélicos a defende atualmente. A O

O Martírio de S. Policarpo - ENTRE A MORTE E A GLÓRIA

A Igreja sempre contou com grandes mártires em sua história, verdadeiros heróis do cristianismo que entregaram suas vidas por causa de sua fé. Esses homens de fato imitaram a Cristo não apenas em vida, mas também em morte e foram reais testemunhas do Filho de Deus, como a própria palavra mártir (μάρτυς) significa em grego. Eles testificaram a Vida (1 Jo 1:2), como diz o apóstolo João, e voluntariamente se entregaram por Aquele que é a Verdade. Com a intenção de honrar suas histórias, desejo realizar uma série de publicações chamada "Entre a Morte e a Glória", semelhante a "Ícones da Igreja" que eu publiquei ano passado O primeiro desses mártires será Policarpo de Esmirna (68-155), um dos bispos mais amorosos e mais marcantes do princípio da Igreja Princípio de sua vida Policarpo nasceu no ano 69 numa família cristã da alta burguesia em Esmirna. Segundo cristãos das décadas seguintes, foi discípulo do Apóstolo João, ordenado diretamente bispo de Esmirna por ele como