Pular para o conteúdo principal

A necessidade de ter posição

O lado do povo de Deus 



Israel foi escolhida como povo santo por Deus desde muito tempo atrás, quando se agradou de Abraão e o escolheu para fundar sua linhagem santa que abençoaria todas as nações da terra (Gn 12:2-3). Contudo, eles passaram a desobedecer o seu Senhor e ainda que não tenham abandonado completamente o culto a Ele, renderam devoção e altares a deuses falsos (1 Rs 16:32-33). Vendo toda essa corrupção, Elias bradou:

"Até quando vocês vão oscilar de um lado para o outro? Se o Senhor é Deus, sigam-no; mas, se Baal é Deus, sigam-no" (1 Rs 18:21)

Essa frase é bastante poderosa e por mais que não pareça, aplica-se a nós até hoje. Deus estava irado com a idolatria das pessoas que tanto amou no passado, os mesmos que considerou seu tesouro pessoal (Dt 7:6). Vê-los adorando deuses falsos e entregando sacrifícios a eles entristeceu o Senhor profundamente mas o mais revoltante, com certeza, foi eles estarem em cima do muro. Historiadores mostraram que Israel não desapegou de seu deus, pelo contrário, adaptou sua adoração junto com a de Moloque, Astarote, Baal e outros deuses falsos (1 Rs 11:5). 

Era contra isso que Elias protestava. Se Baal era o verdadeiro Deus, por que não segui-lo e deixar o Senhor de uma vez? É melhor se desprender do culto verdadeiro do que corrompê-lo.

A impossível harmonia com a mentira

Em uma sociedade pluralista como a nossa, tornou-se um crime de ódio declarar uma verdade definitiva e que não abre brechas para interpretações alternativas. Afirmar "Deus existe" se tornou radicalismo, preferindo dizer "Deus existe, mas pode ser que não". Onde o Senhor disse para sermos instáveis?

Pelo contrário, Deus sempre estimulou que tomássemos uma posição firme em vê-lo como único Deus e "amá-lo com todas as forças" (Dt 6:5). Não tem como amá-lo com todas as forças duvidando da sua existência. Não pense que possuir uma crença fixa e imutável é ser mente fechada ou desrespeitar as outras fés, até porque Jesus é a única verdade e caminho que leva a Deus (João 14:6). Se quisermos chegar até ele, há um único caminho para isso e devemos ter convicção de nossas decisões.

A nossa diferença com Israel é que podemos conviver com outras fés normalmente pois os escolhidos de Deus não se reúnem mais como nação e sim como igreja (1 Pe 2:9). Assim, em nossa vida cotidiana podemos socializar com budistas, ateus, espíritas mas sem nunca conciliar nossa fé com a deles, pois isto é impossível.

Lembrem-se das palavras de João:
"Sabemos que somos de Deus e que o mundo inteiro jaz no Maligno" (1 Jo 5:19) 


A postura da igreja

A igreja é a sucessora da aliança de Deus com Abraão e Moisés, unida em Cristo que é a "garantia de uma aliança superior" (Hb 7:22). Sendo assim, o comportamento moral de buscar santidade e render culto somente a Deus permanece até a atualidade, necessitando ser cumprido pelo corpo de Cristo com tanto zelo quanto os israelitas foram compelidos a cumprir.

Deus ordena "Sejam santos porque eu, o Senhor, sou santo, e os separei dentre os povos para serem meus" (Lv 20:26). Não há como haver santidade se permitirmos que o mal entre na igreja. Essa concepção liberal de que a igreja deve ser um simples local de debate e auxílio emocional, até mesmo aberta para outras religiões. Como povo de Deus, a posição da igreja é a ainda mais relevante e não pode abrir espaço para outros pensamentos que fujam das verdades essenciais do cristianismo.

Somos taxados como ditatoriais, restringindo a liberdade de pensamento. Todos são livres para pensar e tirar suas próprias conclusões e a diversidade de opiniões é permitida na igreja desde que ela não afete a fé do corpo ao ponto de desestabilizá-lo, deixando de estarmos firmados na fé e edificados em Cristo (Cl 2:6-7).

A intolerância da verdade

A acusação mais comum que o mundo possui contra nós cristãos é a de nos chamar de intolerantes. Não nos abalemos, pois se somos considerado intolerantes por declarar a verdade seremos recompensados no futuro com a dádiva da eternidade. 

Deixemos de oscilar entre a verdade e a mentira, ou nos tornaremos mornos e seremos vomitados pelo Senhor (Ap 3:16).

Fiquem com Deus!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Septuaginta, Vulgata, Torá, Tanakh, Talmude e outros: Os Antigos Escritos Bíblicos

Quando estudamos a história da teologia ou até mesmo nos aprofundamos no estudo dos livros da Bíblia dificilmente evitaremos termos como Torá e Septuaginta que apesar de bastante conhecidos, nem sempre os cristãos os entendem e são essenciais caso queiramos compreender por completo o significado original dos textos que lemos em nossas traduções. Por isso, explicarei brevemente o que significa cada um deles e alguns outros que são mais esquecidos, mas antes preciso conceituar três coisas importantes: Antigo Testamento - Os primeiros 39 livros da Bíblia, também chamados de Bíblia Hebraica Novo Testamento - Os 27 últimos livros da Bíblia, começando com os evangelhos. Bíblia - Conjunto de textos sagrados para os cristãos composta por 66 livros (Bíblia protestante). Tendo isso claro, podemos iniciar: Torá Vindo do hebraico תּוֹרָה ("tōrāh" para os sefarditas), significa "instrução" e é o conjunto que nós cristãos conhecemos como Pentateuco , ou seja, os 5

Em defesa do Batismo Infantil

    Apesar da diversidade de igrejas existentes hoje em dia, existem determinadas crenças que estão presentes em todas elas: A crença num Deus único, em Jesus como Salvador e Redentor, na sua vinda como Deus encarnado, na Trindade, na Bíblia como inerrante revelação divina, no Espírito Santo como parte do ser de Deus e que guia a igreja, além de outras, tendo como principais sacramentos o batismo e a Santa Ceia (ainda que a Igreja Católica possua sete deles) Ainda assim, um assunto bastante controverso até hoje e que acompanha um ritual milenar dentre os cristãos, significativo e profundo para todos eles é com certeza o batismo . Para os novos crentes é a regeneração e para os filhos de crentes a confirmação ou o selo da graça, contudo, em que idade deve ser praticado? Bebês devem ser batizados ou apenas os que confessam a fé? Venho então defender a última crença e pretendo mostrar que ela é correta segundo as Escrituras, por mais que a minoria dos evangélicos a defende atualmente. A O

O Martírio de S. Policarpo - ENTRE A MORTE E A GLÓRIA

A Igreja sempre contou com grandes mártires em sua história, verdadeiros heróis do cristianismo que entregaram suas vidas por causa de sua fé. Esses homens de fato imitaram a Cristo não apenas em vida, mas também em morte e foram reais testemunhas do Filho de Deus, como a própria palavra mártir (μάρτυς) significa em grego. Eles testificaram a Vida (1 Jo 1:2), como diz o apóstolo João, e voluntariamente se entregaram por Aquele que é a Verdade. Com a intenção de honrar suas histórias, desejo realizar uma série de publicações chamada "Entre a Morte e a Glória", semelhante a "Ícones da Igreja" que eu publiquei ano passado O primeiro desses mártires será Policarpo de Esmirna (68-155), um dos bispos mais amorosos e mais marcantes do princípio da Igreja Princípio de sua vida Policarpo nasceu no ano 69 numa família cristã da alta burguesia em Esmirna. Segundo cristãos das décadas seguintes, foi discípulo do Apóstolo João, ordenado diretamente bispo de Esmirna por ele como