Pular para o conteúdo principal

A necessidade de ter posição

O lado do povo de Deus 



Israel foi escolhida como povo santo por Deus desde muito tempo atrás, quando se agradou de Abraão e o escolheu para fundar sua linhagem santa que abençoaria todas as nações da terra (Gn 12:2-3). Contudo, eles passaram a desobedecer o seu Senhor e ainda que não tenham abandonado completamente o culto a Ele, renderam devoção e altares a deuses falsos (1 Rs 16:32-33). Vendo toda essa corrupção, Elias bradou:

"Até quando vocês vão oscilar de um lado para o outro? Se o Senhor é Deus, sigam-no; mas, se Baal é Deus, sigam-no" (1 Rs 18:21)

Essa frase é bastante poderosa e por mais que não pareça, aplica-se a nós até hoje. Deus estava irado com a idolatria das pessoas que tanto amou no passado, os mesmos que considerou seu tesouro pessoal (Dt 7:6). Vê-los adorando deuses falsos e entregando sacrifícios a eles entristeceu o Senhor profundamente mas o mais revoltante, com certeza, foi eles estarem em cima do muro. Historiadores mostraram que Israel não desapegou de seu deus, pelo contrário, adaptou sua adoração junto com a de Moloque, Astarote, Baal e outros deuses falsos (1 Rs 11:5). 

Era contra isso que Elias protestava. Se Baal era o verdadeiro Deus, por que não segui-lo e deixar o Senhor de uma vez? É melhor se desprender do culto verdadeiro do que corrompê-lo.

A impossível harmonia com a mentira

Em uma sociedade pluralista como a nossa, tornou-se um crime de ódio declarar uma verdade definitiva e que não abre brechas para interpretações alternativas. Afirmar "Deus existe" se tornou radicalismo, preferindo dizer "Deus existe, mas pode ser que não". Onde o Senhor disse para sermos instáveis?

Pelo contrário, Deus sempre estimulou que tomássemos uma posição firme em vê-lo como único Deus e "amá-lo com todas as forças" (Dt 6:5). Não tem como amá-lo com todas as forças duvidando da sua existência. Não pense que possuir uma crença fixa e imutável é ser mente fechada ou desrespeitar as outras fés, até porque Jesus é a única verdade e caminho que leva a Deus (João 14:6). Se quisermos chegar até ele, há um único caminho para isso e devemos ter convicção de nossas decisões.

A nossa diferença com Israel é que podemos conviver com outras fés normalmente pois os escolhidos de Deus não se reúnem mais como nação e sim como igreja (1 Pe 2:9). Assim, em nossa vida cotidiana podemos socializar com budistas, ateus, espíritas mas sem nunca conciliar nossa fé com a deles, pois isto é impossível.

Lembrem-se das palavras de João:
"Sabemos que somos de Deus e que o mundo inteiro jaz no Maligno" (1 Jo 5:19) 


A postura da igreja

A igreja é a sucessora da aliança de Deus com Abraão e Moisés, unida em Cristo que é a "garantia de uma aliança superior" (Hb 7:22). Sendo assim, o comportamento moral de buscar santidade e render culto somente a Deus permanece até a atualidade, necessitando ser cumprido pelo corpo de Cristo com tanto zelo quanto os israelitas foram compelidos a cumprir.

Deus ordena "Sejam santos porque eu, o Senhor, sou santo, e os separei dentre os povos para serem meus" (Lv 20:26). Não há como haver santidade se permitirmos que o mal entre na igreja. Essa concepção liberal de que a igreja deve ser um simples local de debate e auxílio emocional, até mesmo aberta para outras religiões. Como povo de Deus, a posição da igreja é a ainda mais relevante e não pode abrir espaço para outros pensamentos que fujam das verdades essenciais do cristianismo.

Somos taxados como ditatoriais, restringindo a liberdade de pensamento. Todos são livres para pensar e tirar suas próprias conclusões e a diversidade de opiniões é permitida na igreja desde que ela não afete a fé do corpo ao ponto de desestabilizá-lo, deixando de estarmos firmados na fé e edificados em Cristo (Cl 2:6-7).

A intolerância da verdade

A acusação mais comum que o mundo possui contra nós cristãos é a de nos chamar de intolerantes. Não nos abalemos, pois se somos considerado intolerantes por declarar a verdade seremos recompensados no futuro com a dádiva da eternidade. 

Deixemos de oscilar entre a verdade e a mentira, ou nos tornaremos mornos e seremos vomitados pelo Senhor (Ap 3:16).

Fiquem com Deus!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Septuaginta, Vulgata, Torá, Tanakh, Talmude e outros: Os Antigos Escritos Bíblicos

Quando estudamos a história da teologia ou até mesmo nos aprofundamos no estudo dos livros da Bíblia dificilmente evitaremos termos como Torá e Septuaginta que apesar de bastante conhecidos, nem sempre os cristãos os entendem e são essenciais caso queiramos compreender por completo o significado original dos textos que lemos em nossas traduções. Por isso, explicarei brevemente o que significa cada um deles e alguns outros que são mais esquecidos, mas antes preciso conceituar três coisas importantes: Antigo Testamento - Os primeiros 39 livros da Bíblia, também chamados de Bíblia Hebraica Novo Testamento - Os 27 últimos livros da Bíblia, começando com os evangelhos. Bíblia - Conjunto de textos sagrados para os cristãos composta por 66 livros (Bíblia protestante). Tendo isso claro, podemos iniciar: Torá Vindo do hebraico תּוֹרָה ("tōrāh" para os sefarditas), significa "instrução" e é o conjunto que nós cristãos conhecemos como Pentateuco , ou seja, os 5

A História dos Huguenotes: Perseguição e Guerras Religiosas (Parte 1)

Ao decidir um nome para usar em meu site e em meu canal, queria um que representasse a minha fé e meus ideais e que não fosse igual aos que já existem. Quando percebi que os huguenotes têm muitas semelhanças com minha teologia e não eram muito conhecidos, escolhi imediatamente o nome "O Huguenote" como uma homenagem e uma identidade que decidi assumir, por mais que minha denominação seja presbiteriana.   Não poderia faltar a explicação de quem eles eram e de sua história e é isto que pretendo realizar nessas duas publicações: contar de forma geral a história dos huguenotes que me inspiraram a tratar do assunto que mais amo, teologia. Mudanças na Europa Ao estudar a história, percebemos que nenhuma ideia ou movimento surge de repente, há sempre um antecessor que o inspira ou provoca o seu surgimento. No caso dos huguenotes, sua história remonta desde os séculos XII e XIII quando dois movimentos entraram em evidência na França, os valdenses e os cátaros, também chamados albigen

O Massacre de São Bartolomeu segundo C. H. Spurgeon

O MASSACRE DE SÃO BARTOLOMEU C. H. Spurgeon Le Massacre de la Saint-Barthélemy, François Dubois, 1572-1584. Musée cantonal des beaux-arts de Lausanne. A infame atrocidade perpetrada na véspera de São Bartolomeu, 1572, pelos católicos romanos contra os inofensivos huguenotes ou protestantes da França não deixará de ser lembrada com mais intenso horror até o dia da restituição universal . A frieza dos procedimentos que instigaram tamanha carnificina e as paixões diabólicas que levaram os nobres e estadistas católicos a romperem os limites da humanidade ao liderar o massacre  tornam o evento sem paralelo na história dos enormes crimes. Assim, não há sombra de dúvida sobre quem eram os originadores do plano. Os católicos romanos conceberam o mais amargo ódio contra os huguenotes e estavam decididos de que a terra deveria ficar livre deles. Catarina de Médici, cuja inimizade furiosa contra o protestantismo fez dela um motor admirável no terrível desígnio, controlou seu filho, Carlos IX, suf