Pular para o conteúdo principal

O melhor de Deus para nós


Podemos listar inúmeras formas de como a pandemia do COVID-19 atrapalhou nossa vida, mas quantas coisas positivas podemos dizer sobre esse período que passamos reclusos?

É muito difícil enxergar com olhos otimistas um isolamento forçado que dura meses e nos faz classificar esse ano como péssimo, desejando que o ano seguinte seja diferente. Quantas vezes eu não murmurei sobre os problemas de 2020, sejam eles gerais ou pessoais? Como se já não bastasse acontecimentos infelizes particulares de cada um ainda tivemos que permanecer distantes das pessoas que amamos e orar para que as mais de 43.000 mortes não permaneçam aumentando (fonte).

Contudo, esses dias eu li um versículo que me fez repensar meu comportamento. Trata-se de Romanos 8:28, "Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam". Fiquei pensando, como pode Deus estar agindo para o bem numa situação como essa? Ao verem catástrofes e acontecimentos terríveis muitos céticos já deduzem, "onde está o seu Deus nessas horas?". É uma pergunta repetitiva mas de extrema importância e devemos lembrar da chamada providência divina.

A soberania de Deus excede nossa vontade
É essencial compreender que Deus é soberano sobre todo o mundo e isso inclui nossa situação atual. A Bíblia constantemente assinala o poder de Deus e sua autoridade, como em Deuteronômio:

Vejam agora que eu sou o único, eu mesmo. Não há Deus além de mim.  Faço morrer e faço viver, ferir e curarei, e ninguém é capaz de livrar-se da minha mão (Dt 32:39) NVI

Se confiamos no poder de Deus, confiamos que Ele guia os nossos caminhos e que providencia o melhor segundo os seus preceitos. E quais são estes?  Que a obra iniciada por Ele em nós se conclua no fim dos tempos, edificada a partir dos acontecimentos diversos de nossa vida. Glória a Deus! Confiamos em seu juízo e seu guiar pois sabemos que no final herdaremos a salvação e seremos glorificados porque Ele é justo (Ap 19:1-2). Os que foram chamados serão completos e no processo de nos tornarmos santos temos de nos fortalecer através das dificuldades enfrentadas.

Esse é o bem de que Romanos fala. Nós classificaríamos o bem como ter uma vida isenta de problemas, ser rico e frutífero em todos os nossos empreendimentos e evitar qualquer possibilidade de sofrimento. Mas por acaso isso garantiria a nossa salvação e nos tornaria como Cristo? Porque este é o propósito de Deus em nós, que "participemos dos seus sofrimentos [de Cristo] para que também participemos em sua glória" (Rm 8:16) e o Senhor opera tudo para que isso seja realizado em nossa vida.

Esta é a providência divina. Providência não é ter Deus como um mago que nos dá tudo o que desejamos mas ter um Pai que exerce em nós a Sua plena e santa vontade e providencia a melhor a nós em Espírito que é o que realmente importa para Ele e deveria importar para nós.

Conclusão
Ser filhos de Deus nos incita a confiar constantemente nele e em suas obras. Não duvidemos do melhor do Senhor para as nossas vidas ainda que não seja o nosso melhor, pois como humanos a vontade da nossa carne grita contra o desejo de Deus (Gl 5:17). A frase final é esta:

Vençamos os sofrimentos e percalços da vida confiantes quanto a glória futura e ao agir benevolente do Senhor em nós, usufruindo das controvérsias para o nosso progresso espiritual. 

Por fim, deixo o link de uma música da banda Purples que eu gosto muito, "Teu Melhor". Fiquem com Deus!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Septuaginta, Vulgata, Torá, Tanakh, Talmude e outros: Os Antigos Escritos Bíblicos

Quando estudamos a história da teologia ou até mesmo nos aprofundamos no estudo dos livros da Bíblia dificilmente evitaremos termos como Torá e Septuaginta que apesar de bastante conhecidos, nem sempre os cristãos os entendem e são essenciais caso queiramos compreender por completo o significado original dos textos que lemos em nossas traduções. Por isso, explicarei brevemente o que significa cada um deles e alguns outros que são mais esquecidos, mas antes preciso conceituar três coisas importantes: Antigo Testamento - Os primeiros 39 livros da Bíblia, também chamados de Bíblia Hebraica Novo Testamento - Os 27 últimos livros da Bíblia, começando com os evangelhos. Bíblia - Conjunto de textos sagrados para os cristãos composta por 66 livros (Bíblia protestante). Tendo isso claro, podemos iniciar: Torá Vindo do hebraico תּוֹרָה ("tōrāh" para os sefarditas), significa "instrução" e é o conjunto que nós cristãos conhecemos como Pentateuco , ou seja, os 5

A História dos Huguenotes: Perseguição e Guerras Religiosas (Parte 1)

Ao decidir um nome para usar em meu site e em meu canal, queria um que representasse a minha fé e meus ideais e que não fosse igual aos que já existem. Quando percebi que os huguenotes têm muitas semelhanças com minha teologia e não eram muito conhecidos, escolhi imediatamente o nome "O Huguenote" como uma homenagem e uma identidade que decidi assumir, por mais que minha denominação seja presbiteriana.   Não poderia faltar a explicação de quem eles eram e de sua história e é isto que pretendo realizar nessas duas publicações: contar de forma geral a história dos huguenotes que me inspiraram a tratar do assunto que mais amo, teologia. Mudanças na Europa Ao estudar a história, percebemos que nenhuma ideia ou movimento surge de repente, há sempre um antecessor que o inspira ou provoca o seu surgimento. No caso dos huguenotes, sua história remonta desde os séculos XII e XIII quando dois movimentos entraram em evidência na França, os valdenses e os cátaros, também chamados albigen

O Massacre de São Bartolomeu segundo C. H. Spurgeon

O MASSACRE DE SÃO BARTOLOMEU C. H. Spurgeon Le Massacre de la Saint-Barthélemy, François Dubois, 1572-1584. Musée cantonal des beaux-arts de Lausanne. A infame atrocidade perpetrada na véspera de São Bartolomeu, 1572, pelos católicos romanos contra os inofensivos huguenotes ou protestantes da França não deixará de ser lembrada com mais intenso horror até o dia da restituição universal . A frieza dos procedimentos que instigaram tamanha carnificina e as paixões diabólicas que levaram os nobres e estadistas católicos a romperem os limites da humanidade ao liderar o massacre  tornam o evento sem paralelo na história dos enormes crimes. Assim, não há sombra de dúvida sobre quem eram os originadores do plano. Os católicos romanos conceberam o mais amargo ódio contra os huguenotes e estavam decididos de que a terra deveria ficar livre deles. Catarina de Médici, cuja inimizade furiosa contra o protestantismo fez dela um motor admirável no terrível desígnio, controlou seu filho, Carlos IX, suf