Pular para o conteúdo principal

Animais não são melhores que seres humanos

Isso por acaso parece melhor do que um ser humano? A violência não está presente nos dois lados da natureza?

Devido a alta das pautas ecológicas, uma tendência é vermos animais como superiores aos seres humanos por serem menos maus. Acreditamos que por serem puros e não terem a maldade da humanidade, merecem mais valor e importância que os próprios seres humanos, ou no mínimo, que somos iguais a eles. Isso pode ser notado quando as pessoas sentem mais empatia por um filhote de animal e dedicam a ele mais cuidado e atenção do que uma vida humana concebida que espera para nascer, rejeitada e trata como um tipo de sub-vida indigna de tratamento amoroso. 

Não importa que os animais tenham seus instintos e matem uns aos outros, eles continuam a ser vistos como dignos de mais amor pelos humanos do que sua própria raça. O que nós como cristãos temos a dizer sobre isso?

Os animais são obra do Criador

Isso é um fato e podemos observar logo em Gênesis que assim como Deus ordenou a criação do homem, também ordenou a criação do reino animal como um todo, registrado como as aves e seres marinhos primeiro (Gn 1:20-21) e depois os terrestres (Gn 1:24-25). Até então, somos iguais. Alguns podem dizer, "Mas nós fomos feitos da terra pelo próprio Deus!" e eu digo, "Os animais também!". Gênesis 2:19, "Depois que formou da terra todos os animais do campo...". 

"Mas nós temos o sopro da vida do próprio Deus", e eles também têm! O נְשָׁמָה (neshamah, sopro) está presente em Gênesis 7:22 e mostra que os animas o têm justamente porque são seres viventes e todos os que vivem possuem o sopro de vida. 

Deus os criou com toda a sua autoridade e poder e reina sobre eles assim como reina sobre nós. A natureza não é tida como naturalmente desenvolvida ma obra direta e ativa do Criador, parte importante de sua obra no Universo e glorificando a ele em toda a sua exuberância. Como diz em Jeremias:

"Eu fiz a terra, os seres humanos e os animais que nela estão, com o meu grande poder e com meu braço estendido, e eu a dou a quem eu quiser" Jeremias 27:5

Os animais são protegidos pelo Criador

A proteção aos animais fica clara ao longo das Escrituras. Ele aprovou a criação dos animais junto com todo o conjunto da Criação (Gn 1:21) e providencia a eles o alimento como verdadeiras criaturas amadas por Ele (Sl 147:9). Cristo, mais tarde, reitera essa proteção em seu discurso sobre o cuidado de Deus com as suas criaturas, eximindo o ser humano das preocupações comuns dizendo:

"Observem as aves do céu: não semeiam nem colhem nem armazenam em celeiros; contudo, o Pai celeste as alimenta" (Mt 6:26)

Somos instruídos a amar o animal doméstico (Pv 12:10) e os maus tratos contra animais são condenados, pois são obra do Criador e integram todo o conjunto da grande pintura que chamamos de cosmos. Quando Jonas se ira contra Nínive, Deus se compadece não só de seus 120 mil habitantes mas também dos rebanhos que ali haviam (Jn 4:11) além de fazer questão de preservá-los antes de destruir toda a terra com o Dilúvio (Gn 6:19).

Certo, já sabemos o valor dos animais e como Deus os protege assim como s seres humanos. Deveríamos então pensar que eles são mais puros por não terem escolhido pecar? Deveríamos vê-los como melhores que a podridão do gênero humano?

A humanidade como imagem do Criador

É difícil aceitarmos, mas é a verdade. Após a criação, o homem é descrito como a única criatura feita a imagem direta de seu Criador (Gn  1:16-27). Isso significa que éramos semelhantes a ele em todos os aspectos por sermos originalmente espirituais (2:7), racionais (2:19-20), relacionais (Jo 1:1; Gn 18-25), íntegros (Ec 7:29), dominadores não tirânicos (Sl 8:5-8; Gn 1:26-28) e gloriosos (Sl 8:5). 

O Salmo 8 é inclusive um grande esclarecimento para o valor que o homem possui dado inteiramente por Deus. Fomos feitos "um pouco menores do que os seres celestiais" (v.5, segundo a Septuaginta), uma enorme honra que é inclusive ressaltada em Hebreus quando é dito que os espíritos celestiais estão a nosso favor (Hb 1:14).

De fato, nossa imagem corrompeu-se profundamente e perdemos muito de nossa essência, tornando-nos literalmente mortos no âmbito espiritual (Ef 2:1) e quebrando nossa relação com Deus ao ponto dele se entristecer de ter feito a nós (Gn 6:5-6). 

Mas ainda há um restante da imagem que ele colocou em nós, exclusiva para que fôssemos superiores do que todas as criaturas na terra. Eles nos deu um mandado único de dominar sobre a Criação (Gn 1:28; Gn 9:2-3), tornando-nos verdadeiros representantes seus que deveriam se reproduzir para encher a terra com a sua glória (Gn 1:28).

Os animais também se reproduzem como nós de formas até mesmo mais curiosas, mas nenhum deles transmite a imagem de Deus da forma que nós transmitimos. Jesus, ao falar das aves, disse claramente que "não tem vocês mais valor do que elas?" (Mt 6:26), necessitando de que cordeiros morressem para que nossos pecados fossem pagos (Lv 4:35). Nossa imagem corrompeu-se enormemente e nos tornamos nascidos das trevas (Jo 3:6) mas a partir de Cristo, a exata expressão do ser de Deus (Hb 1:3), podemos conquistar a imagem celestial pelos seus esforços (1 Co 15:49).

A podridão é de todos

Quando Adão violou os mandamentos de Deus não só condenou a sua raça para sempre (Gn 3:14-19; Rm 5:12) como atingiu a natureza que estava debaixo de seu controle (Rm 8:20). Quando vemos animais brigando por comida, atacando seres humanos sem motivo aparente, matando os filhotes uns dos outros percebemos que tudo isso não fazia parte da natureza original e é resultado do pecado que adentrou no mundo, produzindo a morte (Gn 3:19). 

A restauração, entretanto, atingirá a todos, almas e mundo criado renovados pela glória de Deus assim que os seus filhos sejam revelados (Rm 8:19). Tanto a natureza quanto nós compartilhamos a esperança de um dia presenciar a vinda do Altíssimo e retornar ao nosso estado original, o estado que Deus quis que fosse em primeiro lugar (v.23-24). 

Portanto não diga que os animais são puros, ainda que eles não tenham escolhido desvirtuar-se do caminho de Deus eles sofrem a depravação tanto quanto nós sofremos.

Conclusão

Pretendo fazer uma postagem mais específica sobre o tema da imagem de Deus, a chamada Imago Dei, contudo creio ter contestado um pensamento coletivo que parece positivo mas não o é. Quando valorizamos mais animais do que seres humanos nós estamos dizendo que ainda que imagem do Criador, somos inferiores as criaturas menores e negamos o valor que Ele nos dá.

Isso é um atentado direto contra o amor e misericórdia de Deus e é preciso mudar essa visão de que cachorros, vacas, bois, porcos e qualquer animal que seja, ainda que belos e merecedores de amor e carinho, sejam superiores a nós. Que saibamos protegê-los e amá-los como é devido mas sem nunca substituir o lugar da vida humana.

Graça e paz a todos vocês,
Luigi Bonvenuto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Septuaginta, Vulgata, Torá, Tanakh, Talmude e outros: Os Antigos Escritos Bíblicos

Quando estudamos a história da teologia ou até mesmo nos aprofundamos no estudo dos livros da Bíblia dificilmente evitaremos termos como Torá e Septuaginta que apesar de bastante conhecidos, nem sempre os cristãos os entendem e são essenciais caso queiramos compreender por completo o significado original dos textos que lemos em nossas traduções. Por isso, explicarei brevemente o que significa cada um deles e alguns outros que são mais esquecidos, mas antes preciso conceituar três coisas importantes: Antigo Testamento - Os primeiros 39 livros da Bíblia, também chamados de Bíblia Hebraica Novo Testamento - Os 27 últimos livros da Bíblia, começando com os evangelhos. Bíblia - Conjunto de textos sagrados para os cristãos composta por 66 livros (Bíblia protestante). Tendo isso claro, podemos iniciar: Torá Vindo do hebraico תּוֹרָה ("tōrāh" para os sefarditas), significa "instrução" e é o conjunto que nós cristãos conhecemos como Pentateuco , ou seja, os 5

A História dos Huguenotes: Perseguição e Guerras Religiosas (Parte 1)

Ao decidir um nome para usar em meu site e em meu canal, queria um que representasse a minha fé e meus ideais e que não fosse igual aos que já existem. Quando percebi que os huguenotes têm muitas semelhanças com minha teologia e não eram muito conhecidos, escolhi imediatamente o nome "O Huguenote" como uma homenagem e uma identidade que decidi assumir, por mais que minha denominação seja presbiteriana.   Não poderia faltar a explicação de quem eles eram e de sua história e é isto que pretendo realizar nessas duas publicações: contar de forma geral a história dos huguenotes que me inspiraram a tratar do assunto que mais amo, teologia. Mudanças na Europa Ao estudar a história, percebemos que nenhuma ideia ou movimento surge de repente, há sempre um antecessor que o inspira ou provoca o seu surgimento. No caso dos huguenotes, sua história remonta desde os séculos XII e XIII quando dois movimentos entraram em evidência na França, os valdenses e os cátaros, também chamados albigen

O Massacre de São Bartolomeu segundo C. H. Spurgeon

O MASSACRE DE SÃO BARTOLOMEU C. H. Spurgeon Le Massacre de la Saint-Barthélemy, François Dubois, 1572-1584. Musée cantonal des beaux-arts de Lausanne. A infame atrocidade perpetrada na véspera de São Bartolomeu, 1572, pelos católicos romanos contra os inofensivos huguenotes ou protestantes da França não deixará de ser lembrada com mais intenso horror até o dia da restituição universal . A frieza dos procedimentos que instigaram tamanha carnificina e as paixões diabólicas que levaram os nobres e estadistas católicos a romperem os limites da humanidade ao liderar o massacre  tornam o evento sem paralelo na história dos enormes crimes. Assim, não há sombra de dúvida sobre quem eram os originadores do plano. Os católicos romanos conceberam o mais amargo ódio contra os huguenotes e estavam decididos de que a terra deveria ficar livre deles. Catarina de Médici, cuja inimizade furiosa contra o protestantismo fez dela um motor admirável no terrível desígnio, controlou seu filho, Carlos IX, suf