Pular para o conteúdo principal

Brilhantes como estrelas, reluzentes como joias no meio da lama (Fp 2:14-16)

A carta de Filipenses foi escrita por Paulo no ano 61 enquanto estava preso, provavelmente em Roma (At 28), ainda que não se tenha certeza da exata cidade em que estava. É chamada da "Epístola da Alegria" devido ao seu tom otimista e a grande gratidão que o apóstolo demonstra, ainda que em sua condição desvalida. 

O que me chama atenção na carta para a cidade de Filipos, contudo, é uma instrução bastante impactante para os cristãos com a intenção de fazê-los diferentes perante os outros cidadãos:

"Façam tudo sem queixas nem discussões, para que venham a tornar-se puros e irrepreensíveis, filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração corrompida e depravada, na qual vocês brilham como estrelas no universo, retendo firmemente a palavra da vida" (Fp 2:14-16)

Para que um corpo celeste seja uma estrela ele precisa ser uma massiva esfera brilhosa que irradia enorme quantidade de energia. Da mesma forma o sal precisa de seu sabor para ser sal, senão ele é inútil (Lc 14:34-35) e uma lamparina não é casa para ficar escondida (Mt 5:14). Todas essas comparações são usadas a nós, cristãos, e seu significado é muito importante.

Quantas vezes nos sentimos deslocados do resto de nossa comunidade? Pensávamos estar isolados, excluídos do resto do mundo pela nossa postura diferenciada, tentados a abandonar essa vida que supostamente "tira nossa liberdade". Somos tidos como problemáticos, um câncer numa sociedade que acreditam estar sadia por si própria senão fosse por nós, fanáticos religiosos. Mas há um motivo para toda essa exclusão: Nós brilhamos, reluzimos como ouro numa mina escura, diamantes num chiqueiro.

Digo isso não por merecermos: Sabemos que somos todos pecadores, vindos da mesma raiz (Rm 3:23) nosso valor vem de Cristo e somos diferentes porque ele nos amou antes que pudéssemos amá-lo (1 Jo 4:10). É a nossa adoção como filhos de Deus, integrando sua família espiritual que nos torna tão brilhosos e distintos (Jo 1:12-13). Somos nascidos não da descendência natural mas renascidos no Espírito para uma vida espiritual (Rm 8:5). 

Por isso, brilhem como estrelas, irradiem a luz que não vem de vocês mas de Deus. Salguem a terra, encham-na com a luz que Deus nos concedeu e pratiquem boas atitudes para que a partir delas todos vejam que somos filhos do Altíssimo e o glorifiquem, cumprindo nosso propósito em meio aos nossos semelhantes (Mt 5:16).

Graça e paz a todos vocês,

Luigi Bonvenuto

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Septuaginta, Vulgata, Torá, Tanakh, Talmude e outros: Os Antigos Escritos Bíblicos

Quando estudamos a história da teologia ou até mesmo nos aprofundamos no estudo dos livros da Bíblia dificilmente evitaremos termos como Torá e Septuaginta que apesar de bastante conhecidos, nem sempre os cristãos os entendem e são essenciais caso queiramos compreender por completo o significado original dos textos que lemos em nossas traduções. Por isso, explicarei brevemente o que significa cada um deles e alguns outros que são mais esquecidos, mas antes preciso conceituar três coisas importantes: Antigo Testamento - Os primeiros 39 livros da Bíblia, também chamados de Bíblia Hebraica Novo Testamento - Os 27 últimos livros da Bíblia, começando com os evangelhos. Bíblia - Conjunto de textos sagrados para os cristãos composta por 66 livros (Bíblia protestante). Tendo isso claro, podemos iniciar: Torá Vindo do hebraico תּוֹרָה ("tōrāh" para os sefarditas), significa "instrução" e é o conjunto que nós cristãos conhecemos como Pentateuco , ou seja, os 5

Em defesa do Batismo Infantil

    Apesar da diversidade de igrejas existentes hoje em dia, existem determinadas crenças que estão presentes em todas elas: A crença num Deus único, em Jesus como Salvador e Redentor, na sua vinda como Deus encarnado, na Trindade, na Bíblia como inerrante revelação divina, no Espírito Santo como parte do ser de Deus e que guia a igreja, além de outras, tendo como principais sacramentos o batismo e a Santa Ceia (ainda que a Igreja Católica possua sete deles) Ainda assim, um assunto bastante controverso até hoje e que acompanha um ritual milenar dentre os cristãos, significativo e profundo para todos eles é com certeza o batismo . Para os novos crentes é a regeneração e para os filhos de crentes a confirmação ou o selo da graça, contudo, em que idade deve ser praticado? Bebês devem ser batizados ou apenas os que confessam a fé? Venho então defender a última crença e pretendo mostrar que ela é correta segundo as Escrituras, por mais que a minoria dos evangélicos a defende atualmente. A O

O Martírio de S. Policarpo - ENTRE A MORTE E A GLÓRIA

A Igreja sempre contou com grandes mártires em sua história, verdadeiros heróis do cristianismo que entregaram suas vidas por causa de sua fé. Esses homens de fato imitaram a Cristo não apenas em vida, mas também em morte e foram reais testemunhas do Filho de Deus, como a própria palavra mártir (μάρτυς) significa em grego. Eles testificaram a Vida (1 Jo 1:2), como diz o apóstolo João, e voluntariamente se entregaram por Aquele que é a Verdade. Com a intenção de honrar suas histórias, desejo realizar uma série de publicações chamada "Entre a Morte e a Glória", semelhante a "Ícones da Igreja" que eu publiquei ano passado O primeiro desses mártires será Policarpo de Esmirna (68-155), um dos bispos mais amorosos e mais marcantes do princípio da Igreja Princípio de sua vida Policarpo nasceu no ano 69 numa família cristã da alta burguesia em Esmirna. Segundo cristãos das décadas seguintes, foi discípulo do Apóstolo João, ordenado diretamente bispo de Esmirna por ele como