Pular para o conteúdo principal

Todos somos únicos a Deus


 

Existem tantas pessoas no mundo que nos sentimos um mero grão de areia numa praia repleta de semelhantes a nós, muitos até mesmo melhores. A partir da globalização e da internet somos colocados cada vez mais para baixo quando nos comparamos aos outros: "Sabe desenhar? Bem, este artista tem um traço melhor que o seu". "Sabe escrever? Legal, mas quem disse que fará um livro igual aquele ali?". "Sabe cantar? Ótimo, mas a pessoa neste vídeo tem uma voz muito melhor".

Nosso talentos se tornam irrelevantes e nossas características se perdem em um montante de dons extraordinários. Como seguir o lema da atualidade de se sentir único e especial quando temos tantas pessoas parecidas e superiores?

A visão bíblica de dons particulares prega um enorme diferencial quando comparada ao uso dos talentos na nossa sociedade. Claramente temos pessoas mais notórias que outras como Moisés que foi líder ainda que Arão falasse melhor (Ex 4:14), Jacó que foi escolhido em despeito a Esaú (Ml 1:2-3), Davi que foi consagrado rei em desfavor de seus irmãos (1 Sm 16:6-13) mas nenhum mérito partiu deles e não significa que Deus não tivesse um plano para os outros.

Jacó se tornou Israel e o pai de uma nação numerosa, cumprindo a promessa feita a Abraão (Gn 12:2-3) mas Esaú também teve seu propósito e formou a nação de Edom (Gn 36), assim como Arão foi sumo sacerdote mesmo sem ser líder (Ex 39). Por que eles tiveram chamados diferentes? Apenas os preceitos indecifráveis de Deus podem responder mas a verdade é que cada um dos seus filhos é especial para Ele.

Como Corpo de Cristo, nenhum membro funciona igual ao outro, somos todos relevantes e determinados para papéis diferentes, dependendo da vontade do Senhor e da ocasião em que Ele deseja nos usar (Rm 12:4). Como disse Paulo, "há diferentes tipos de dons mas o Espírito é o mesmo" (1 Co 12:4). Quando dedicamos nossas aptidões ao Senhor somos sempre especiais e, diferente das habilidades normais, esses dons não partem de nós, mas são dádivas de Deus para o bem comum. (v.7)

A Bíblia nunca ensina igualdade entre o povo de Deus mas singularidade. Arão era em definitivo inferior ao chamado de Moisés em liderar e entregar a Lei mas foi lembrado por preparar o povo para a vinda de Cristo como sumo sacerdote (Hb 5:4). Somos todos relevantes mas não iguais em relevância. Não sintamos ciúmes e inveja do chamado de nossos irmãos ainda que eles sejam escolhidos para funções mais honrosas que as nossas pois isto é simplesmente Deus agindo de forma diferente na vida de cada um enquanto guarda a nós uma atribuição especial.

Nunca se esqueça que Jesus se dedica a cada indivíduo de seu rebanho, ainda que as outras noventa e nove estejam seguras ele sai para buscar a única que fugiu pois a ama particularmente (Lc 15:1-7). Cristo não morreu pelos pecados de forma geral mas pagou individualmente a dívida de cada um de nós (Jo 6:39-40).

Se sua função é liderar, abençoar, ensinar, servir, animar, contribuir, compadecer, faça tudo segundo a capacidade de sua fé e para honra e glória de nosso Senhor Jesus, exercendo os dons que Ele graciosamente derramou a nós (Rm 12:3-8)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Septuaginta, Vulgata, Torá, Tanakh, Talmude e outros: Os Antigos Escritos Bíblicos

Quando estudamos a história da teologia ou até mesmo nos aprofundamos no estudo dos livros da Bíblia dificilmente evitaremos termos como Torá e Septuaginta que apesar de bastante conhecidos, nem sempre os cristãos os entendem e são essenciais caso queiramos compreender por completo o significado original dos textos que lemos em nossas traduções. Por isso, explicarei brevemente o que significa cada um deles e alguns outros que são mais esquecidos, mas antes preciso conceituar três coisas importantes: Antigo Testamento - Os primeiros 39 livros da Bíblia, também chamados de Bíblia Hebraica Novo Testamento - Os 27 últimos livros da Bíblia, começando com os evangelhos. Bíblia - Conjunto de textos sagrados para os cristãos composta por 66 livros (Bíblia protestante). Tendo isso claro, podemos iniciar: Torá Vindo do hebraico תּוֹרָה ("tōrāh" para os sefarditas), significa "instrução" e é o conjunto que nós cristãos conhecemos como Pentateuco , ou seja, os 5

Em defesa do Batismo Infantil

    Apesar da diversidade de igrejas existentes hoje em dia, existem determinadas crenças que estão presentes em todas elas: A crença num Deus único, em Jesus como Salvador e Redentor, na sua vinda como Deus encarnado, na Trindade, na Bíblia como inerrante revelação divina, no Espírito Santo como parte do ser de Deus e que guia a igreja, além de outras, tendo como principais sacramentos o batismo e a Santa Ceia (ainda que a Igreja Católica possua sete deles) Ainda assim, um assunto bastante controverso até hoje e que acompanha um ritual milenar dentre os cristãos, significativo e profundo para todos eles é com certeza o batismo . Para os novos crentes é a regeneração e para os filhos de crentes a confirmação ou o selo da graça, contudo, em que idade deve ser praticado? Bebês devem ser batizados ou apenas os que confessam a fé? Venho então defender a última crença e pretendo mostrar que ela é correta segundo as Escrituras, por mais que a minoria dos evangélicos a defende atualmente. A O

O Martírio de S. Policarpo - ENTRE A MORTE E A GLÓRIA

A Igreja sempre contou com grandes mártires em sua história, verdadeiros heróis do cristianismo que entregaram suas vidas por causa de sua fé. Esses homens de fato imitaram a Cristo não apenas em vida, mas também em morte e foram reais testemunhas do Filho de Deus, como a própria palavra mártir (μάρτυς) significa em grego. Eles testificaram a Vida (1 Jo 1:2), como diz o apóstolo João, e voluntariamente se entregaram por Aquele que é a Verdade. Com a intenção de honrar suas histórias, desejo realizar uma série de publicações chamada "Entre a Morte e a Glória", semelhante a "Ícones da Igreja" que eu publiquei ano passado O primeiro desses mártires será Policarpo de Esmirna (68-155), um dos bispos mais amorosos e mais marcantes do princípio da Igreja Princípio de sua vida Policarpo nasceu no ano 69 numa família cristã da alta burguesia em Esmirna. Segundo cristãos das décadas seguintes, foi discípulo do Apóstolo João, ordenado diretamente bispo de Esmirna por ele como