Pular para o conteúdo principal

A natividade e encarnação de Cristo Jesus - NATAL 2021



O Natal é um grande marco no ano cristão, reunindo milhares de fiéis em torno do mundo para celebrar o nascimento do nosso Salvador. Todos conhecem a história: Deus escolheu Maria, uma virgem judia, para dar a luz ao Filho de Deus, concebido pelo Espírito Santo (Lc 1:45) e que recebeu em seu nascimento a visita dos magos (Mt 2:11) e dos pastores (Lc 2:15-16).

O Natal é uma boa ocasião para refletirmos sobre o quão impressionante foi a vinda de Jesus à terra. Cristo era homem como nós por ser “nascido de mulher” (Gl 4:4) e ter assumido a carne em toda a sua essência (Jo 1:14), passando por todas as suas fraquezas, porém divino por ser a Palavra pré-existente e criadora de todas as coisas (Jo 1:1-2) capaz de realizar milagres e dizer Eu Sou (Jo 8:58). Esse é o maravilhoso milagre da Encarnação, a vinda do Verbo eterno a nossa realidade a fim de salvar o povo dos seus pecados (Mt 1:21).

O mesmo Cristo que tem vida em si mesmo (Jo 5:26) e um com o Pai (Jo 10:30) é o mesmo que sentiu fome (Mt 4:2), sede (Jo 4:7) e morreu (Mc 15:37). Por mais incompreensível que seja, "O mistério da encarnação de Cristo é para ser adorado, não esquadrinhado” [1], assim diz Matthew Henry.

A dualidade de Jesus como Deus e homem confundiu muitas mentes de seu tempo, inclusive os discípulos, impressionados com a vinda da vida eterna (1 Jo 1:2), gerando dúvidas na humanidade séculos depois de sua vinda. Seria Cristo uma mistura da natureza divina e humana? Seria ele duas pessoas conjuntas? Teria Cristo alma e mente humanas ou seria apenas o Verbo?

Acima de toda especulação, sabemos que Cristo é Uno e o completo Deus-Homem, verdadeiro Deus e verdadeiro Homem, pois “um só e mesmo Filho, nosso Senhor Jesus Cristo, perfeito quanto à divindade, perfeito quanto à humanidade, verdadeiro Deus e verdadeiro homem, constando de alma racional e de corpo; consubstancial [hommoysios] ao Pai, segundo a divindade, e consubstancial a nós, segundo a humanidade” (Fórmula de Calcedônia, c.451). Ao mesmo tempo que ele é gerado eternamente do Pai, é gerado no tempo por Maria, mãe daquele que é Deus desde a concepção e esse é o fascínio natalino.

O grande bispo romano Leão Magno (400-461), em um sermão de natal, descreveu a encarnação de Cristo belamente ao dizer: 
“Sem detrimento, portanto, às propriedades de ambas as substâncias que uniram-se em uma pessoa, onde a majestade toma a humildade, a força, a fraqueza, a eternidade, a mortalidade, a união da natureza inviolável com a passível, verdadeiro Deus e verdadeiro homem combinados para formar um só Senhor e um só Mediador entre Deus e a humanidade” [2]
Por que isso ocorreu? Por causa de nossa carência. O bispo alexandrino Atanásio (296-373), em sua magnífica obra “Da Encarnação”, diz que “Ele assumiu um corpo humano por apenas esta razão, pelo amor e bondade de seu pai, para a salvação de nós, homens. Foi nosso caso miserável que fez a Palavra descer, nossa transgressão que clamou por Seu amor a nós” [3]. Deus nos fez a sua imagem e semelhança (Gn 1:27), prontos para portar o reflexo da santidade e destinados a imortalidade em comunhão com Ele; contudo, a desobediência da humanidade resultou na corrupção e degradação de nossa essência, violando a pureza da Criação de Deus e trazendo sobre nós a condenação determinada por Deus.

O Senhor era como um governante vendo sua cidade ser atacada por ladrões por causa da displicência de seus habitantes. Ele não poderia assistir impassível a ruína de seus feitos, permanecer omisso diante de uma ofensa tão grande a sua honra e era misericordioso demais para ver sua Criação decair; ao mesmo tempo, não poderia anular sua palavra de sentença de morte (Gn 2:27).

Cabia, então, a Deus intervir diretamente em nossa essência tornando-se parte dela. “Pois Ele apenas, sendo o Verbo do Pai e sobre todas as coisas, era em consequência capaz de de recriar tudo e digno de sofrer por causa de todos para ser um embaixador por todos junto ao Pai. Por esse propósito, então, o incorpóreo, incorruptível e imaterial Verbo de Deus entrou em nosso mundo” [4]

O Todo-Poderoso precisava se humilhar ao ponto de se tornar um bebê numa manjedoura? Sim, pois quis assumir um corpo em tudo semelhante a nós, não apenas se corporificar em aparência mas revelar sua majestade a partir da fragilidade humana [5]. "Ele assumiu um corpo capaz de morte, afim de que, por pertencer a Palavra que está acima de tudo, tornasse na morte uma troca suficiente por todos, e, permanecendo incorruptível por Sua habitação ,pudesse após igualmente por fim a corrupção de todos os outros, pela graça da ressurreição" [6]

Cristo tornou-se homem para que em seu ser divino sofresse a punição devida a humanidade, abolindo o jugo da morte; algo possível apenas pela encarnação. Não apenas isso, mas assim poderia conquistar vitória sobre o Adversário a partir da humanidade corrompida por sua incitação, ao mesmo tempo que regenera as nossas capacidades em reflexo da sua perfeição. “O Filho de Deus, na completude do tempo que a inescrutável profundidade do conselho Divino determinou, tomou parte da natureza do homem para reconciliá-la com seu Autor; para que o inventor da morte, o Diabo, seja conquistado por esta natureza que ele mesmo conquistou” [7]

Em sua reconciliação promovida entre a humanidade e o Senhor, abriu o caminho para que pudéssemos redimir a nossa essência e sermos reconstruídos de acordo com a intenção de Deus quando nos fez. Pelo seu agir soberano somos feitos justos e participantes do sofrimento e glória de Cristo Jesus (Rm 8:17) por termos um sumo sacerdote parecido conosco. “não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas, mas sim alguém que, como nós, passou por todo tipo de tentação, porém, sem pecado” (Hb 4:15)

O bispo Atanásio sabiamente expressou que "Através dessa união do Filho de Deus imortal com nossa natureza humana, todos os homens foram revestidos com incorrupção na promessa da ressurreição. Pois a solidariedade a humanidade era tanta que, pela virtude da habitação do Verbo em um único corpo humano, a corrupção que vem com a morte perdeu seu poder sobre todos" [8]

Louvado seja Deus pela encarnação de Cristo Jesus! O bebê que repousa na manjedoura é o Servo prometido desde a Queda (Gn 3:15) e capaz de trazer a salvação a todos os que lhe pertencem. Não é apenas sobre Deus assumindo-se homem mas o homem participando da natureza de Deus (2 Pe 1:4)

Que o Natal seja mais do que uma oportunidade de reunião, mas de reflexão religiosa.

Graça e paz a todos vocês,
Luigi Bonvenuto

REFERÊNCIAS:
[1] Matthew Henry, Mateus 1, v.18-25
[2] Da Festa da Natividade, I, 2
[3] Da Encarnação, I, IV, p.4
[4] Da Encarnação, VII, VIII, p.5
[5] Da Encarnação, VIII.
[6] Da Encarnação, IX.
[7] Da Festa da Natividade, I, 1
[8] Da Encarnação, IX.


BIBLIOGRAFIA:
Sermon 21, On Feast of Nativity, I. Leo the Great. Translated by Charles Lett Feltoe. From Nicene and Post-Nicene Fathers, Second Series, Vol. 12. Edited by Philip Schaff and Henry Wace. (Buffalo, NY: Christian Literature Publishing Co., 1895.) Revised and edited for New Advent by Kevin Knight. <http://www.newadvent.org/fathers/360321.htm>.

Athanasius, "On Incarnation". Paul Halsall, 1998. Internet Medieval Sourcebook.

Matthew Henry, Commentary of The Bible, 1706. www.christianity.com/bible/commentary/matthew-henry-complete/matthew/1?amp=1


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Septuaginta, Vulgata, Torá, Tanakh, Talmude e outros: Os Antigos Escritos Bíblicos

Quando estudamos a história da teologia ou até mesmo nos aprofundamos no estudo dos livros da Bíblia dificilmente evitaremos termos como Torá e Septuaginta que apesar de bastante conhecidos, nem sempre os cristãos os entendem e são essenciais caso queiramos compreender por completo o significado original dos textos que lemos em nossas traduções. Por isso, explicarei brevemente o que significa cada um deles e alguns outros que são mais esquecidos, mas antes preciso conceituar três coisas importantes: Antigo Testamento - Os primeiros 39 livros da Bíblia, também chamados de Bíblia Hebraica Novo Testamento - Os 27 últimos livros da Bíblia, começando com os evangelhos. Bíblia - Conjunto de textos sagrados para os cristãos composta por 66 livros (Bíblia protestante). Tendo isso claro, podemos iniciar: Torá Vindo do hebraico תּוֹרָה ("tōrāh" para os sefarditas), significa "instrução" e é o conjunto que nós cristãos conhecemos como Pentateuco , ou seja, os 5

Em defesa do Batismo Infantil

    Apesar da diversidade de igrejas existentes hoje em dia, existem determinadas crenças que estão presentes em todas elas: A crença num Deus único, em Jesus como Salvador e Redentor, na sua vinda como Deus encarnado, na Trindade, na Bíblia como inerrante revelação divina, no Espírito Santo como parte do ser de Deus e que guia a igreja, além de outras, tendo como principais sacramentos o batismo e a Santa Ceia (ainda que a Igreja Católica possua sete deles) Ainda assim, um assunto bastante controverso até hoje e que acompanha um ritual milenar dentre os cristãos, significativo e profundo para todos eles é com certeza o batismo . Para os novos crentes é a regeneração e para os filhos de crentes a confirmação ou o selo da graça, contudo, em que idade deve ser praticado? Bebês devem ser batizados ou apenas os que confessam a fé? Venho então defender a última crença e pretendo mostrar que ela é correta segundo as Escrituras, por mais que a minoria dos evangélicos a defende atualmente. A O

O Martírio de S. Policarpo - ENTRE A MORTE E A GLÓRIA

A Igreja sempre contou com grandes mártires em sua história, verdadeiros heróis do cristianismo que entregaram suas vidas por causa de sua fé. Esses homens de fato imitaram a Cristo não apenas em vida, mas também em morte e foram reais testemunhas do Filho de Deus, como a própria palavra mártir (μάρτυς) significa em grego. Eles testificaram a Vida (1 Jo 1:2), como diz o apóstolo João, e voluntariamente se entregaram por Aquele que é a Verdade. Com a intenção de honrar suas histórias, desejo realizar uma série de publicações chamada "Entre a Morte e a Glória", semelhante a "Ícones da Igreja" que eu publiquei ano passado O primeiro desses mártires será Policarpo de Esmirna (68-155), um dos bispos mais amorosos e mais marcantes do princípio da Igreja Princípio de sua vida Policarpo nasceu no ano 69 numa família cristã da alta burguesia em Esmirna. Segundo cristãos das décadas seguintes, foi discípulo do Apóstolo João, ordenado diretamente bispo de Esmirna por ele como