Pular para o conteúdo principal

O melhor de cada dia: Carpe Diem e Coram Deo


Os dias se desprendem e lançam-se aos ventos como folhas no outono Foto de Dhyamis Kleber no Pexels


Constantemente nos é dito para aproveitarmos a vida ao máximo, desfrutar do agora, fazer tudo como se não houvesse amanhã: Carpe Diem! Essa é uma expressão latina que faz parte da frase de um escritor romano chamado Horácio (65 a.C - 8 a.C), contida no livro I de Odes: "a carpe diem quam minimum credula postero", podendo ser traduzido como "colha o dia de hoje e confie o mínimo possível no amanhã".

Apesar de ser uma filosofia bastante popular e atraente, ela não é completa, ainda mais se considerarmos o período de pandemia em que vivemos. Como é possível viver ao máximo um dia trancafiado dentro de casa e não se preocupar com o amanhã, sabendo que mais pessoas morrerão e que a vida não normalizará tão cedo? Carpe Diem pode ser um conceito belo em sua teoria mas bastante difícil de ser praticado.

Decidi escrever sobre o assunto pois hoje mesmo fui abatido por uma tristeza profunda. Encontrei minha mente questionando a alegria, como manter a positividade, desvalorizando a mim mesmo e o meu estilo de aproveitar o tempo que me é dado. Não sinto que progredi o suficiente nesses últimos 3 meses e me preocupa mais ainda pensar no porvir, mentalizando a onda de problemas e dificuldades que virão assim que o isolamento social terminar.

Existe, acima disso, um desejo sincero em meu coração de ler a Bíblia e passar o dia em comunhão com Deus. Com toda a certeza, minha meditação é o melhor momento do meu dia pois é nesse momento em que esqueço das preocupações e me concentro apenas na graciosidade e amor do nosso Deus, observando toda a sua atenção e recebendo a sua mensagem.

Contudo, é só esse momento terminar que meu interior volta a se transtornar. Começo a pensar em como tornar o dia eficiente, no devo realizar e terminar, lembrando constantemente que se não o fizer ante do fim do isolamento se tornará muito difícil, praticamente impossível, devido as obrigações da escola. Por que será que existe um contraste tão grande entre os dois períodos? Simplesmente porque não estou praticando o Coram Deo.

Viver para Deus


Coram Deo é uma frase latina que pode ser traduzida como "perante Deus". Seu significado, contudo, é muito mais profundo.

Coram Deo é a essência da vida cristã, o objetivo final que todos nós como filhos de Deus deveríamos ter. A partir da Bíblia sabemos que todo o mundo pertence a Deus e que tudo foi criado com o objetivo de glorificá-lo (Salmos 19:1; 24:1-2). Somos estimulados a confiar também na sua soberania e providência, sabendo da grandiosidade do nosso Senhor (Jeremias 10:6)

Mas como podemos participar dessa glorificação? Será que apenas na leitura bíblica e na oração que glorificamos a Deus? O estilo de vida Coram Deo prega justamente o contrário: Glorificamos a Deus em todas as nossas ações.

O apóstolo Paulo deixou esse pensamento bastante claro na sua carta aos Coríntios:

“Assim, quer vocês comam, bebam ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus” 1 Coríntios 10.31

Cumpramos ou não nossas metas, aproveitemos ou não ao máximo o nosso dia, façamos tudo para que Deus seja glorificado pois tudo é perda quando comparamos a conhecer a Cristo (Filipenses 3:8) e o conhecer a Cristo e ao Deus verdadeiro é o significado da vida eterna (João 17:8).

Para se aproximar de Deus, a humanidade criou inúmeros obstáculos. Nem todos tem condições de jejuar semanalmente, viver como monges em pleno cotidiano, algo que era comprado há muito tempo atrás pelos rigorosos fariseus e ainda é exigido por alguns líderes religiosos. Não ouça música disso, não coma aquilo, não faça isso tal dia: Será que criar regras e mais regras é entregar nossa vida a Deus?

Um pedreiro que trabalha de segunda a sábado carregando cimento para sustentar a si e a sua família, uma cuidadora que tem que lidar pacientemente com idosos, um estudante que recebe trabalhos toda a semana para cumprir sua média nas matérias, todos esses glorificam a Deus.  Lidam diariamente com o estresse diário e podem não aproveitar o dia como as pessoas "livres" pregam mas ainda assim glorificam ao Senhor em seus trabalhos honestos e aparentemente não relacionados ao mundo espiritual caso decidam dedicar seus passos a Deus, vivendo sempre na sua presença mesmo quando distantes da Bíblia e da oração

Sejamos assim. Em quarentena ou não, ainda que não estejamos extraindo o melhor do dia nos padrões comuns, estaremos sempre vivendo para a glória de nosso Deus a cada passo que dermos, sendo este o propósito final de nossa vida como seres humanos criados a sua imagem e semelhança. 

Não considere o dia perdido se você pôde viver para a exaltação do nosso Senhor.

Graça e paz a todos vocês,

Luigi Bonvenuto

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Septuaginta, Vulgata, Torá, Tanakh, Talmude e outros: Os Antigos Escritos Bíblicos

Quando estudamos a história da teologia ou até mesmo nos aprofundamos no estudo dos livros da Bíblia dificilmente evitaremos termos como Torá e Septuaginta que apesar de bastante conhecidos, nem sempre os cristãos os entendem e são essenciais caso queiramos compreender por completo o significado original dos textos que lemos em nossas traduções. Por isso, explicarei brevemente o que significa cada um deles e alguns outros que são mais esquecidos, mas antes preciso conceituar três coisas importantes: Antigo Testamento - Os primeiros 39 livros da Bíblia, também chamados de Bíblia Hebraica Novo Testamento - Os 27 últimos livros da Bíblia, começando com os evangelhos. Bíblia - Conjunto de textos sagrados para os cristãos composta por 66 livros (Bíblia protestante). Tendo isso claro, podemos iniciar: Torá Vindo do hebraico תּוֹרָה ("tōrāh" para os sefarditas), significa "instrução" e é o conjunto que nós cristãos conhecemos como Pentateuco , ou seja, os 5

A História dos Huguenotes: Perseguição e Guerras Religiosas (Parte 1)

Ao decidir um nome para usar em meu site e em meu canal, queria um que representasse a minha fé e meus ideais e que não fosse igual aos que já existem. Quando percebi que os huguenotes têm muitas semelhanças com minha teologia e não eram muito conhecidos, escolhi imediatamente o nome "O Huguenote" como uma homenagem e uma identidade que decidi assumir, por mais que minha denominação seja presbiteriana.   Não poderia faltar a explicação de quem eles eram e de sua história e é isto que pretendo realizar nessas duas publicações: contar de forma geral a história dos huguenotes que me inspiraram a tratar do assunto que mais amo, teologia. Mudanças na Europa Ao estudar a história, percebemos que nenhuma ideia ou movimento surge de repente, há sempre um antecessor que o inspira ou provoca o seu surgimento. No caso dos huguenotes, sua história remonta desde os séculos XII e XIII quando dois movimentos entraram em evidência na França, os valdenses e os cátaros, também chamados albigen

O Massacre de São Bartolomeu segundo C. H. Spurgeon

O MASSACRE DE SÃO BARTOLOMEU C. H. Spurgeon Le Massacre de la Saint-Barthélemy, François Dubois, 1572-1584. Musée cantonal des beaux-arts de Lausanne. A infame atrocidade perpetrada na véspera de São Bartolomeu, 1572, pelos católicos romanos contra os inofensivos huguenotes ou protestantes da França não deixará de ser lembrada com mais intenso horror até o dia da restituição universal . A frieza dos procedimentos que instigaram tamanha carnificina e as paixões diabólicas que levaram os nobres e estadistas católicos a romperem os limites da humanidade ao liderar o massacre  tornam o evento sem paralelo na história dos enormes crimes. Assim, não há sombra de dúvida sobre quem eram os originadores do plano. Os católicos romanos conceberam o mais amargo ódio contra os huguenotes e estavam decididos de que a terra deveria ficar livre deles. Catarina de Médici, cuja inimizade furiosa contra o protestantismo fez dela um motor admirável no terrível desígnio, controlou seu filho, Carlos IX, suf