Pular para o conteúdo principal

Os Pais da Igreja e o batismo infantil

Se você não leu minha postagem sobre batismo infantil, recomendo que leia para que não seja entendido erroneamente. Os Pais da Igreja são autoridades renomadas quando se trata de temas considerados apostólicos e quando desejamos saber quais eram os costumes da antiga igreja, contudo não se igualam as Escrituras. Eram homens de Deus bastante sábios e escreveram textos muito edificantes espiritualmente mas nunca devem ser considerados superiores a base bíblica.

Trechos de algumas passagens aqui listadas podem não representar a minha posição ou a posição dos reformados pedobatismo pois eles não eram plenamente unificados em seu pensamento e apesar de pretendermos ser uma continuação da Igreja original, discordâncias permanecem até os dias de hoje.

Por fim, a tradução foi feita por mim a partir das fontes que serão listadas ao fim da postagem para quem quiser conferir no original. Termos como "infants" foram traduzidos como "infantes", "bebês" e poucas vezes como "crianças", respeitando a diferença entre os três.


IRINEU


“Ele [Jesus] veio para salvar todos através de si mesmo; todos, que digo, que nele são renascidos em Deus: bebês, crianças, jovens e adultos. Portanto ele passou por todas as idades, tornando-se bebê para os bebês, santificando os infantes; uma criança pelas crianças, santificando aqueles que são dessa idade… por isso ele pôde ser o perfeito professor em todas as coisas, perfeito não apenas em relação de estabelecer a verdade, perfeito também em relação à idade relativa” (Contra as Heresias 2:22:4, 189 d.C)

O termo para adulto inclui também os idosos pois está ligado a maturidade e não necessariamente a etapa da adultez.

HIPÓLITO


“Batizem primeiro as crianças e se elas conseguem falar por si mesmas permita-as então. Senão, deixe seus pais ou outros parentes falarem por elas” (A Tradição Apostólica 21:16, 215 d.C)

ORÍGENES


A Igreja recebeu dos apóstolos a tradição de batizar até mesmo os infantes. Os apóstolos, a quem foram comissionados segredos dos divinos sacramentos, sabiam que se há em todos deformações inatas do pecado original, devem ser elas lavadas pela água e pelo Espírito” (Comentários em Romanos 5:9, 248 d.C)

CIPRIANO DE CARTAGO


“No que tange ao caso dos infantes: Você [Fidus] diz que eles não devem ser batizados (...) Contudo, nós todos julgamos que a misericórdia e graça de Deus não devem ser negadas a nenhum homem nascido” (Cartas 64:2, 253 d.C)

GREGÓRIO NAZIANZENO


“Você tem uma criança? Não dê oportunidade ao pecado; não obstante, permita-a ser santificada desde a infância. Desde sua mais tenra idade torne-a consagrada pelo Espírito. Você tem medo do selo [do batismo] por causa da fraqueza da natureza? Oh, mas que mãe covarde e que fé pequena!” (Oração sobre o Santo Batismo 40:7, 388 d.C)


“‘Certo’, alguns dirão, ‘para aqueles que pedem pelo batismo, mas o que tem a dizer sobre aqueles que ainda são crianças, inconscientes nem da perdição nem da graça? Devemos batizá-los também?’ Certamente [eu respondo], se houver algum perigo urgente. Melhor que eles sejam santificados inconscientes do que partam não selados e iniciados” (ibid., 40:28)


JOÃO CRISÓSTOMO


“Vocês viram quantos são os benefícios do batismo, e alguns pensam que tal graça celestial consiste apenas na remissão de pecados, mas nós enumeramos dez honrarias [que ele concede]! Por essa razão nos batizamos até mesmo infantes, posto que eles não sejam contaminados por pecados [pessoais], então seja dada a eles santidade, retidão, adoção, herança, irmandade com Cristo, e então eles devem tornar-se seus membros [de Cristo]” (Catequeses Batismais em Agostinho, Contra Juliano 1:6:21, 388 d.C)

AGOSTINHO


“O costume da Igreja Mãe em batizar infantes certamente não deve ser desprezado, nem considerado de qualquer forma como supérfluo, nem acreditar que sua tradição seja outra coisa além de apostólica” (A Interpretação Literal de Gênesis 10:23-29, 408 d.C)

Por essa graça infantes batizados também são enxertados em seu corpo [de Cristo], bebês que certamente ainda não são capazes de imitar ninugém. Cristo, em quem todos são vivificados... dá também a graça mais oculta de seu Espírito aos crentes, graça que ele secretamente infunde até mesmo em infantes... (Perdão e os Justos Desertos do Pecados, e o Batismo dos Infantes 1:9:10, 1:24:34)


Graça e paz a todos,
Luigi Bonvenuto

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Septuaginta, Vulgata, Torá, Tanakh, Talmude e outros: Os Antigos Escritos Bíblicos

Quando estudamos a história da teologia ou até mesmo nos aprofundamos no estudo dos livros da Bíblia dificilmente evitaremos termos como Torá e Septuaginta que apesar de bastante conhecidos, nem sempre os cristãos os entendem e são essenciais caso queiramos compreender por completo o significado original dos textos que lemos em nossas traduções. Por isso, explicarei brevemente o que significa cada um deles e alguns outros que são mais esquecidos, mas antes preciso conceituar três coisas importantes: Antigo Testamento - Os primeiros 39 livros da Bíblia, também chamados de Bíblia Hebraica Novo Testamento - Os 27 últimos livros da Bíblia, começando com os evangelhos. Bíblia - Conjunto de textos sagrados para os cristãos composta por 66 livros (Bíblia protestante). Tendo isso claro, podemos iniciar: Torá Vindo do hebraico תּוֹרָה ("tōrāh" para os sefarditas), significa "instrução" e é o conjunto que nós cristãos conhecemos como Pentateuco , ou seja, os 5

Em defesa do Batismo Infantil

    Apesar da diversidade de igrejas existentes hoje em dia, existem determinadas crenças que estão presentes em todas elas: A crença num Deus único, em Jesus como Salvador e Redentor, na sua vinda como Deus encarnado, na Trindade, na Bíblia como inerrante revelação divina, no Espírito Santo como parte do ser de Deus e que guia a igreja, além de outras, tendo como principais sacramentos o batismo e a Santa Ceia (ainda que a Igreja Católica possua sete deles) Ainda assim, um assunto bastante controverso até hoje e que acompanha um ritual milenar dentre os cristãos, significativo e profundo para todos eles é com certeza o batismo . Para os novos crentes é a regeneração e para os filhos de crentes a confirmação ou o selo da graça, contudo, em que idade deve ser praticado? Bebês devem ser batizados ou apenas os que confessam a fé? Venho então defender a última crença e pretendo mostrar que ela é correta segundo as Escrituras, por mais que a minoria dos evangélicos a defende atualmente. A O

O Martírio de S. Policarpo - ENTRE A MORTE E A GLÓRIA

A Igreja sempre contou com grandes mártires em sua história, verdadeiros heróis do cristianismo que entregaram suas vidas por causa de sua fé. Esses homens de fato imitaram a Cristo não apenas em vida, mas também em morte e foram reais testemunhas do Filho de Deus, como a própria palavra mártir (μάρτυς) significa em grego. Eles testificaram a Vida (1 Jo 1:2), como diz o apóstolo João, e voluntariamente se entregaram por Aquele que é a Verdade. Com a intenção de honrar suas histórias, desejo realizar uma série de publicações chamada "Entre a Morte e a Glória", semelhante a "Ícones da Igreja" que eu publiquei ano passado O primeiro desses mártires será Policarpo de Esmirna (68-155), um dos bispos mais amorosos e mais marcantes do princípio da Igreja Princípio de sua vida Policarpo nasceu no ano 69 numa família cristã da alta burguesia em Esmirna. Segundo cristãos das décadas seguintes, foi discípulo do Apóstolo João, ordenado diretamente bispo de Esmirna por ele como