Pular para o conteúdo principal

Um ano de anseios duvidosos



Ano retrasado iniciei o meu blog com a intenção de expor o que penso e o que descubro, como uma forma de descontração. Não mantive tanta frequência nas publicações, mas não imaginava que ele me faria melhor do que eu imaginava. Fiz duas publicações que agiram como respostas para minhas próprias incertezas, uma sobre o melhor de Deus para nós e outra sobre viver para a glória do Senhor. Todas as outras postagens me foram úteis espiritualmente mas estas em específico foram escritas em momentos de tristeza e ansiedade profundas onde a escrita espontânea se tornou uma forma de escapar desses sentimentos.

Assim como todos, eu espero que o ano de 2021 seja melhor do que este último e que possamos, pela graça de Deus, vencer os desafios que o mundo nos propõe. Entretanto, acho ousado ver pessoas afirmando com uma convicção cega e inquestionável de que este ano ocorrerá segundo as vontades próprias e que os aprendizados de 2020 servirão para que este seja o "ano da vitória e transformação". 

Muito bonito, confesso, mas a decepção pode ser muito maior do que a beleza deste pensamento. A virada de ano gera em nós muita expectativa justamente por não sabermos como será, incertos quanto aos dias que virão ao mesmo tempo em que desejamos com todas as forças que sejam bons. Entretanto, não podemos enganar a nós mesmos e fingir que não há a possibilidade de nossos anseios não se cumprirem.

Vários criticaram o ano de 2019 por razões pessoais que não irei contestar, afinal, definir se o ano foi bom ou não é uma questão completamente pessoal. Mesmo assim, as expectativas para 2020 foram massacradas e geraram uma tristeza inesgotável, sabendo que o ano que era para ter sido melhor, conseguiu ser ainda pior. Sendo assim, 2021 tem que ser visto como um ano que pode ser melhor e não que definitivamente o será.

As vacinas estão sendo preparadas e logo estaremos imunes, mas nada garante que outro surto não virá. Outras epidemias podem vir neste e nos anos seguintes, guerras podem ser iniciadas e mais pessoas podem partir, porém isso não deve nos impedir de viver para a glória de Deus, confiando no seu agir. Para nós cristãos, sabemos que grandes desastres precederão a maior alegria que poderíamos ter (Mt 24:6-8)

O Senhor Jesus, antes de morrer, falou a seus discípulos:

"Eu lhes disse essas coisas para que em mim vocês tenham paz. Neste mundo vocês terão aflições; contudo, tenham ânimo! Eu venci o mundo" João 16:33

Cristo sabia que passaríamos por sofrimentos mas que acima de tudo ele foi mais forte que o mundo. Os apóstolos esperavam anos melhores, com toda a certeza, mas quando suas expectativas não se cumpriam eles lembravam das palavras de encorajamento vindas de seu mestre que sempre trazia-lhes paz e descanso.

Por isso, ainda que 2021 não seja o que esperamos, nunca nos esqueçamos de que com o Senhor em tudo há um propósito, seja na dor, seja na alegria. 

Deus abençoe e que esse ano seja feito segundo a Sua vontade.

Graça e paz a todos,

Luigi Bonvenuto

Capa: Foto de Simon Migaj no Pexels


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Septuaginta, Vulgata, Torá, Tanakh, Talmude e outros: Os Antigos Escritos Bíblicos

Quando estudamos a história da teologia ou até mesmo nos aprofundamos no estudo dos livros da Bíblia dificilmente evitaremos termos como Torá e Septuaginta que apesar de bastante conhecidos, nem sempre os cristãos os entendem e são essenciais caso queiramos compreender por completo o significado original dos textos que lemos em nossas traduções. Por isso, explicarei brevemente o que significa cada um deles e alguns outros que são mais esquecidos, mas antes preciso conceituar três coisas importantes: Antigo Testamento - Os primeiros 39 livros da Bíblia, também chamados de Bíblia Hebraica Novo Testamento - Os 27 últimos livros da Bíblia, começando com os evangelhos. Bíblia - Conjunto de textos sagrados para os cristãos composta por 66 livros (Bíblia protestante). Tendo isso claro, podemos iniciar: Torá Vindo do hebraico תּוֹרָה ("tōrāh" para os sefarditas), significa "instrução" e é o conjunto que nós cristãos conhecemos como Pentateuco , ou seja, os 5

A História dos Huguenotes: Perseguição e Guerras Religiosas (Parte 1)

Ao decidir um nome para usar em meu site e em meu canal, queria um que representasse a minha fé e meus ideais e que não fosse igual aos que já existem. Quando percebi que os huguenotes têm muitas semelhanças com minha teologia e não eram muito conhecidos, escolhi imediatamente o nome "O Huguenote" como uma homenagem e uma identidade que decidi assumir, por mais que minha denominação seja presbiteriana.   Não poderia faltar a explicação de quem eles eram e de sua história e é isto que pretendo realizar nessas duas publicações: contar de forma geral a história dos huguenotes que me inspiraram a tratar do assunto que mais amo, teologia. Mudanças na Europa Ao estudar a história, percebemos que nenhuma ideia ou movimento surge de repente, há sempre um antecessor que o inspira ou provoca o seu surgimento. No caso dos huguenotes, sua história remonta desde os séculos XII e XIII quando dois movimentos entraram em evidência na França, os valdenses e os cátaros, também chamados albigen

O Massacre de São Bartolomeu segundo C. H. Spurgeon

O MASSACRE DE SÃO BARTOLOMEU C. H. Spurgeon Le Massacre de la Saint-Barthélemy, François Dubois, 1572-1584. Musée cantonal des beaux-arts de Lausanne. A infame atrocidade perpetrada na véspera de São Bartolomeu, 1572, pelos católicos romanos contra os inofensivos huguenotes ou protestantes da França não deixará de ser lembrada com mais intenso horror até o dia da restituição universal . A frieza dos procedimentos que instigaram tamanha carnificina e as paixões diabólicas que levaram os nobres e estadistas católicos a romperem os limites da humanidade ao liderar o massacre  tornam o evento sem paralelo na história dos enormes crimes. Assim, não há sombra de dúvida sobre quem eram os originadores do plano. Os católicos romanos conceberam o mais amargo ódio contra os huguenotes e estavam decididos de que a terra deveria ficar livre deles. Catarina de Médici, cuja inimizade furiosa contra o protestantismo fez dela um motor admirável no terrível desígnio, controlou seu filho, Carlos IX, suf